Sugestão para a defesa de Enio

Como já provamos, não restam dúvidas que aconteceu um equívoco do ministro Marco Aurélio, desde a decisão monocrática. Tal equívoco pode ter ocorrido por informação errada do seu Gabinete, que omitiu a parte conclusiva do acórdão do TRE- PR, que considerou a a tese da falta de desincompatibilização com base da decisão e não do terceiro mandato. Assim sendo, sugerimos pedir à Corregedoria do TSE, que apure o caso, e protocole pedidos de revisão dos votos do relator e dos ministro Gilmar Mendes e Laurita Vaz, que seguiram o relator. Vejam neste link como ocorreu o erro.
Apelamos à coligação que entenda que seria falta de respeito com os mais de 92.000 eleitores desistir de lutar por um vitória de está quase nas mãos. Acabem com as dúvidas que houve um acordo da cúpula do partido, com Ricardo Barros. Vamos pra cima. Dá para ganhar.
Akino Maringá, colaborador

Angelo Rigon

Jornalista em Maringá. Pioneiro em blog político, foi repórter e apresentador de programas de rádio e televisão, além de ter editado jornais e revistas. É comentarista da Jovem Pan Maringá.

3 pitacos em “Sugestão para a defesa de Enio

  1. Caro Akino, infelizmente diante das evidencias, como a falta de atitudes e demonstracoes “quase desenhadas” torna-se muito claro, como se declarado fosse que essa disputa eleitoral foi uma “partida combinada” tal como conhecemos em um campeonato de futebol.

    A intencao inicial era nao permitir uma provavel ou possivel “surpresa ” por parte de outro adversario. Ninguem, nem mesmo o proprio “enio”, acreditava possivel obter o numero de votos recebidos no final da votacao! Se comparado aa uma partida de futebol, em sua condicao de atacante, por um lado, tinha a obrigacao de chutar forte contra o gol do adversario e, por outro, precisava tomar cuidados para nao finalizar o gol.

    Muito provavel que esse essa vitoria nunca foi o objetivo do enio – sua participacao foi algo comparavel a uma prestacao de servicohs extras que lhe respaldasse o atingimento do real objetivo – que a sua projecao politica, obtida ateh aquele momento, ainda nao lhe propiciava garantia de sucesso. E, quando pretende-se integrar um sistema, como se fosse uma das engrenagens de um grande esquema, nada melhor que ser aprovado pelos “donos” desse processamento. O retorno estah praticamente garantido!

    Quanto ao respeito com os eleitores, o que ainda esperar? Estah demonstrado que nao faz parte da pratica “dos verris”. Eleitores devem receber a atencao merecida no momento e na hora marcada, conforme os interesses primeiros, senao vejamos: ateh agora nenhum aceno por parte do enio aos seus seguidores; o mario, seu irmao e vereador que votou a favor do projeto de criacao dos 515 CCs(cargos comissinados) da prefitura? Ateh agora nao se explicou! Aprovou um projeto sem saber do que se tratava? Achou que qualquer desculpa calava a boca “desse povinho”? Ou que nao devia nenhuma explicacao aa ninguem? – Mas, DESENHANDO COM O LADO DIREITO DO CEREBRO! Esses CCs. sao UTEIS ou NECESSARIOS?

Deixe seu pitaco