A lei, o IAP de Beto Richa e as ‘chaminés’

Ossário

O IAP, que autorizou a derrubada de uma mata intocável, perpétua, no Cesumar, em Maringá, é o mesmo que permitiu que a Prefeitura de Maringá construísse parte de dois mil ossários no limite da calçada, na rua Mem de Sá, apesar de a lei estabelecer um limite mínimo interno de 5 metros.
A agressão à alegislação é gritante, como o caso da mata do Cesumar. De acordo com a legislação, internamente a área de 5 metros deveria ser preservada, “destituída de qualquer tipo de pavimentação ou recobertura de alvenaria, destinada à implantação de uma cortina constituída por árvores e arbustos adequados, preferencialmente de essências nativas”. A alínea “a” do inciso II do artigo 4° da resolução é clara: “não será permitida a construção de ossários na área descrita neste inciso” (leia mais).
No Paraná de Beto Richa, quem transgride a lei ganha promoção. O chefe do escritório regional à época dos absurdos agora integra a direção do órgão, em Curitiba. De outro lado, como mostram a foto abaixo, o que tem chamado a atenção dos vizinhos aos ossários é uma espécie de chaminé sobre a construção. (Fotos: O Fantasma da Ópera)

Ossário

Angelo Rigon

Jornalista em Maringá. Pioneiro em blog político, foi repórter e apresentador de programas de rádio e televisão, além de ter editado jornais e revistas. É comentarista da Jovem Pan Maringá.

Deixe seu pitaco