Ramificações em Foz e Londrina

As ramificações do esquema de corrupção no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento estendem-se a Foz do Iguaçu e Londrina.
Não há notícias envolvendo o Mapa em Maringá na Operação Carne Fraca, a maior realizada este ano no país.

Um dos presos, o ex-superintendente estadual Daniel Gonçalves Filho, teria se formado na UEM. As investigações chegaram às principais empresas do setor, como a BRF Brasil, que controla marcas como Sadia e Perdigão, e também a JBS, dona das marcas Friboi, Seara, Swift, entre outras.
De acordo com o G1, o esquema no Paraná era comandado por Daniel Gonçalves Filho e pela chefe do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal (Dipoa), Maria do Rocio Nascimento, que trabalham em Curitiba.
Na casa do atual superintendente regional do Mapa, Gil Bueno, a polícia apreendeu R$ 65 mil nesta manhã. Os três são alvos de prisão preventiva. Gil Bueno foi indicado para o cargo por deputados da bancada federal do Paraná.

Angelo Rigon

Jornalista em Maringá. Começou em jornal aos 14 anos, foi editor-chefe dos três jornais diários de Maringá. Pioneiro em blog político, repórter e apresentador de programa de televisão, apresentador de programa político nas rádios Jornal, Difusora e Banda 1, comentarista das rádios Metropolitana e Guairacá, editor de diversos jornais e revistas, como Umuarama Ilustrado, Correio da Cidade, Expresso Paraná, Maringá M9 e Página 9. Atualmente integra o cast da Jovem Pan Maringá.

Um pitaco em “Ramificações em Foz e Londrina

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode usar estas HTML tags e atributos:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>