Quem sou?

Quem sou?

Dia desses fiz um texto, em forma de trova, para dizer quem não sou e vou repeti-lo: ‘Não sou quem disseram que sou. Sou bem diferente, sou honesto, sou decente e experiente; para muitos, inteligente. Pelo menos assim me dizem, muita gente. Talvez não seja tudo isso, digo, modestamente. Mas também não sou aquilo que uns poucos tentam mostrar, esteja crente. Sou bem melhor, certamente’.

Então, quem sou?. Sou homem, um ser humano do sexo masculino, uma alma milenar. Profissionalmente sou um pequeno empresário de prestação de serviços (gero dois empregos). Minha renda é somada com aposentadoria por tempo de serviço numa empresa multinacional brasileira, que me garante uma classificação pelo IBGE, segundo a revista Exame, classe A1. Há quem diga que sou rico e assim me considero, embora com parcos bens materiais, mas o suficiente para uma vida tranquila. Não recebo dinheiro público, ao não ser os R$ 2.600,00 de aposentadoria do INSS, que devolvo em impostos, fruto de um consumo de cerca de R$ 10 mil mensais (a carga tributária está em torno de 40%), posso dizer que não recebo nada. Nunca recebi um centavo sequer de qualquer político, seja para falar bem, ou para não falar mal e vou desafiar, interpelar quem insinuou isso. Sou covarde? Não acho. Corajoso? ‘Quem tem, tem medo’, diz o ditado popular e meio chulo. Até os valentões, os que pensam que são os bambas do parlamento, que anunciam o fim deste ou daquele, os que prometem ser diferente, paladinos da moralidade, lutadores, corajosos, imprescindíveis, têm, digamos, receio, mormente quando sentem que não amedrontam tanto assim e tentam intimidar aqueles que podem ser os algozes no julgamento de suas maldades.
O que faço, jornalisticamente falando, é um trabalho voluntário aqui no Blog do Rigon. Fiscalizo Executivo e Legislativo, como um serviço voluntário visando a otimização dos recursos públicos para ajudar os mais necessitados, pois eu mesmo não preciso de prefeitura nem de Câmara, posso garantir sem o orgulho dos que dizem que não precisam da política, que são independentes, mas ainda não conquistaram a independência que já tenho. Tenho meu escritório, não dependo da política, dirão alguns. Mas, sem clientes, não basta ter escritório. Enquanto tiver espaço vou trabalhando. No dia que não tiver e me encher, vou fazer outra coisa. Não dependo de ‘f.d.p’ algum, diria eu, se não fosse uma pessoa educada e de princípios. Ou mandaria todos à ‘merda’, mas também não faria isso, pela educação que tenho.
PS: Lembrei do ‘toninho malvadeza’, ao velho ACM. Que já esteja num bom lugar. Que fiquem espertos os malvados, os que aprontam e nem perdão pedem. A Justiça Divina é implacável, mas com ternura. Diante dela os corajosos podem virar covardes. No ranger de dentes o choro será inevitável. Cuidado, aqui até podem se esconder, disfarçar, dissimular. Lá a exigência do decoro é severa.
Akino Maringá, colaborador

Angelo Rigon

Jornalista em Maringá. Começou em jornal aos 14 anos, foi editor-chefe dos três jornais diários de Maringá. Pioneiro em blog político, repórter e apresentador de programa de televisão, apresentador de programa político nas rádios Jornal, Difusora e Banda 1, comentarista das rádios Metropolitana e Guairacá, editor de diversos jornais e revistas, como Umuarama Ilustrado, Correio da Cidade, Expresso Paraná, Maringá M9 e Página 9. Atualmente integra o cast da Jovem Pan Maringá.

4 pitacos em “Quem sou?

  1. Mensagem da Cruz

    PRESTAÇÃO DE CONTAS A DEUS

    DE TUDO QUE FIZERMOS PRESTAREMOS CONTAS A DEUS Texto básico: “Porque Deus há de trazer a juízo toda obra e até tudo o que está encoberto, quer seja bom, quer seja mau”. Ecl 12.14.

    Introdução – O homem tem o livre arbítrio dado por Deus, por isto ele é um ser moral responsável por natureza, e, portanto, prestará contas a Deus por todos os seus atos praticados. Para Deus só tem valor o que o ser humano fizer espontaneamente por amor e devoção. O apóstolo João esclarece porque o homem é inescusável diante de Deus assim: “(…) Quem crê nele (em Jesus) não é condenado; mas quem não crê já está condenado, porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus. E a condenação é esta: Que a luz veio ao mundo, e os homens amaram mais as trevas do que a luz, porque as suas obras eram más. E a condenação é esta: Que a luz veio ao mundo, e os homens amaram mais as trevas (pecados) do que a luz, porque as suas obras eram más”. (Jo 3.18-19). Jesus resumiu a essência do juízo vindouro assim: “(…) E deu-lhe o poder de exercer o juízo, porque é o filho do homem (Jesus). Não vos maravilheis disto, porque vem a hora em que todos os que estão nos sepulcros ouvirão a sua voz, e os que fizeram o bem ressuscitarão para a vida eterna, e todos que fizeram o mal para ressurreição da condenação”. Jo 5.27-29. (Ler: 2ª Co 5.10; Mt 25.31-46; Ap 20.11-15; 21.8)

    TUDO ESTÁ DESCOBERTO DIANTE DE DEUS. Por que? Porque só Deus é onipotente, onisciente e onipresente. Estes atributos são exclusivos de Deus, por isto Ele é o juiz de toda terra. Textos bíblicos básicos: “Mas Deus é o Juiz: a um abate, e a outro exalta”. Sl 75.7. “Mas nada há encoberto que não haja de ser descoberto; nem oculto, que não haja de ser sabido” Lc 12.2; “E não há criatura alguma encoberta diante dele; antes todas as coisas estão nuas e patentes aos olhos daquele com quem temos de tratar”. Hb 4.13.

    Vejamos os três níveis de julgamentos ou prestação de contas ao Senhor como Juiz:

    PRESTAÇÃO DE CONTAS DO QUE FIZEMOS BEM OU MAL

    i. Das obras dos crentes no Tribunal de Cristo após o arrebatamento da Igreja: Todos crentes genuínos prestarão contas dos seus atos a Deus, conforme está escrito assim: “(…) v10 Mas tu, por que julgas teu irmão? Ou tu, também, por que desprezas teu irmão? Pois todos havemos de comparecer ante o tribunal de Cristo. v11 Porque está escrito: Pela minha vida, diz o Senhor, todo joelho se dobrará diante de mim, e toda língua confessará a Deus. v12 De maneira que cada um de nós dará conta de si mesmo a Deus”. Rm 14.10-12; (…) “v10 Porque todos devemos comparecer ante o tribunal de Cristo, para que cada um receba segundo o que tiver feito por meio do corpo, ou bem ou mal”. 2ª Co 5.10.

    ii. Das nações vivas na volta de Jesus para reinar (parousia): As nações vivas na segunda vinda de Jesus serão julgadas pelo o que fizeram aos seus “pequeninos irmãos” de raça que creram nEle, assim: (…) “v31 E, quando o Filho do Homem vier em sua glória, e todos os santos anjos, com ele, então, se assentará no trono da sua glória; v32 e todas as nações serão reunidas diante dele, e apartará uns dos outros, como o pastor aparta dos bodes as ovelhas. v33 E porá as ovelhas à sua direita, mas os bodes à esquerda. v34 Então, dirá o Rei aos que estiverem à sua direita: Vinde, benditos de meu Pai, possuí por herança o Reino que vos está preparado desde a fundação do mundo; (…) v41 Então, dirá também aos que estiverem à sua esquerda: Apartai-vos de mim, malditos, para o fogo eterno, preparado para o diabo e seus anjos”. Mt 25.31-34, 41

    O JUIZO VINDOURO PARA OS PERDIDOS

    iii. O juízo final no trono branco após o milênio: Este julgamento final é para manifestar a justiça de Deus e punir todos aqueles que praticaram atos pecaminosos de toda espécie sem se arrependerem e por não crerem em Jesus como Senhor e Salvador, como está escrito assim: (…) v11 E vi um grande trono branco e o que estava assentado sobre ele, de cuja presença fugiu a terra e o céu, e não se achou lugar para eles. v12 E vi os mortos, grandes e pequenos, que estavam diante do trono, e abriram-se os livros. E abriu-se outro livro, que é o da vida. E os mortos foram julgados pelas coisas que estavam escritas nos livros, segundo as suas obras. v13 E deu o mar os mortos que nele havia; e a morte e o inferno deram os mortos que neles havia; e foram julgados cada um segundo as suas obras. v14 E a morte e o inferno foram lançados no lago de fogo. Esta é a segunda morte. v15 E aquele que não foi achado escrito no livro da vida foi lançado no lago de fogo”, Ap 20.11-15. “(…) v8 Mas, quanto aos tímidos, e aos incrédulos, e aos abomináveis, e aos homicidas, e aos fornicadores, e aos feiticeiros, e aos idólatras e a todos os mentirosos, a sua parte será no lago que arde com fogo e enxofre, o que é a segunda morte”. Ap 21.8.

    iv. O temor a Deus. Portanto, todo homem deve temer ao Senhor Deus e guardar os seus mandamentos, “Porque Deus há de trazer a juízo toda obra e até tudo o que está encoberto, quer seja bom, quer seja mau”. El 12.14. Os que permanecerem rebeldes em seus pecados desobedecendo aos mandamentos de Deus serão julgados pelas suas más obras e serão condenados eternamente, o que não desejamos de maneira nenhuma.

    Conclusão. Todos que rejeitarem a Jesus como Senhor e Salvador de suas almas, portanto, rejeitando a graça suficiente de Deus em Cristo Jesus, morrem sob a ira de Deus debaixo da culpa do pecado, em conseqüência das suas obras pecaminosas, e por este motivo, serão condenados como está escrito em: Jo 3.36; “Aquele que crê no Filho tem a vida eterna, mas aquele que não crê no Filho não verá a vida, mas a ira de Deus sobre ele permanece”. (Jo 3.18-19, e Jo 5.27-29. Ap 20.13-15). Entretanto, quem se arrepender e crer no Evangelho da graça de Deus será salvo e terá a vida eterna, como disse Jesus assim: “(…) v24 Na verdade, na verdade vos digo que quem ouve a minha palavra e crê naquele que me enviou tem a vida eterna e não entrará em condenação, mas passou da morte para a vida”. É como disse, também, o apóstolo Paulo: “Porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna, por Cristo Jesus é nosso Senhor”. Rm 6.23.

    Postado por Djalma Pereira

  2. N e nenhum desses….tive a oportunidade de apertar a sua mão mesmo n sabendo….fiquei sabendo depois….foi no gabinete do vereador onivaldo…vc lembra akino

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode usar estas HTML tags e atributos:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>