Conhece-te a ti mesmo

Nosce Te Ipsum

Vejamos este artigo aqui e analisamentos as respostas de Santo Agostinho (*) a duas perguntas:
1 – Qual o meio prático mais eficaz que tem o homem de se melhorar nesta vida e de resistir à atração do mal?

“Um sábio da antiguidade vo-lo disse: Conhece-te a ti mesmo.”
2 – Conhecemos toda a sabedoria desta máxima, porém a dificuldade está precisamente em cada um conhecer-se a si mesmo. Qual o meio de consegui-lo?
“Fazei o que eu fazia, quando vivi na Terra: ao fim do dia, interrogava a minha consciência, passava revista ao que fizera e perguntava a mim mesmo se não faltara a algum dever, se ninguém tivera motivo para de mim se queixar. Foi assim que cheguei a me conhecer e a ver o que em mim precisava de reforma. Aquele que, todas as noites, evocasse todas as ações que praticara durante o dia e inquirisse de si mesmo o bem ou o mal que houvera feito, rogando a Deus e ao seu anjo de guarda que o esclarecessem, grande força adquiriria para se aperfeiçoar, porque, crede-me, Deus o assistiria. Dirigi, pois, a vós mesmos perguntas, interrogai-vos sobre o que tendes feito e com que objetivo procedestes em tal ou tal circunstância, sobre se fizestes alguma coisa que, feita por outrem, censuraríeis, sobre se obrastes alguma ação que não ousaríeis confessar. Perguntai ainda mais: “Se aprouvesse a Deus chamar-me neste momento, teria que temer o olhar de alguém, ao entrar de novo no mundo dos Espíritos, onde nada pode ser ocultado?”
“Examinai o que pudestes ter obrado contra Deus, depois contra o vosso próximo e, finalmente, contra vós mesmos. As respostas vos darão, ou o descanso para a vossa consciência, ou a indicação de um mal que precise ser curado. “O conhecimento de si mesmo é, portanto, a chave do progresso individual. Mas, direis, como há de alguém julgar-se a si mesmo? Não está aí a ilusão do amor-próprio para atenuar as faltas e torná-las desculpáveis? O avarento se considera apenas econômico e previdente; o orgulhoso julga que em si só há dignidade. Isto é muito real, mas tendes um meio de verificação que não pode iludir-vos. Quando estiverdes indecisos sobre o valor de uma de vossas ações, inquiri como a qualificaríeis, se praticada por outra pessoa. Se a censurais noutrem, não na poderia ter por legítima quando fordes o seu autor, pois que Deus não usa de duas medidas na aplicação de Sua justiça. Procurai também saber o que dela pensam os vossos semelhantes e não desprezeis a opinião dos vossos inimigos, porquanto esses nenhum interesse têm em mascarar a verdade e Deus muitas vezes os coloca a vosso lado como um espelho, a fim de que sejais advertidos com mais franqueza do que o faria um amigo. Perscrute, conseguintemente, a sua consciência aquele que se sinta possuído do desejo sério de melhorar-se, a fim de extirpar de si os maus pendores, como do seu jardim arranca as ervas daninhas; dê balanço no seu dia moral para, a exemplo do comerciante, avaliar suas perdas e seus lucros e eu vos asseguro que a conta destes será mais avultada que a daquelas. Se puder dizer que foi bom o seu dia, poderá dormir em paz e aguardar sem receio o despertar na outra vida.
“Formulai, pois, de vós para convosco, questões nítidas e precisas e não temais multiplicá-las. Justo é que se gastem alguns minutos para conquistar uma felicidade eterna. Não trabalhais todos os dias com o fito de juntar haveres que vos garantam repouso na velhice? Não constitui esse repouso o objeto de todos os vossos desejos, o fim que vos faz suportar fadigas e privações temporárias? Pois bem! Que é esse descanso de alguns dias, turbado sempre pelas enfermidades do corpo, em comparação com o que espera o homem de bem? Não valerá este outro a pena de alguns esforços? Sei haver muitos que dizem ser positivo o presente e incerto o futuro. Ora, esta é exatamente a idéia que estamos encarregados de eliminar do vosso íntimo, visto desejarmos fazer que compreendais esse futuro, de modo a não restar nenhuma dúvida em vossa alma. Por isso foi que primeiro chamamos a vossa atenção por meio de fenômenos capazes de ferir-vos os sentidos e que agora vos damos instruções, que cada um de vós se acha encarregado de espalhar.Com este objetivo é que ditamos O Livro dos Espíritos.”. (*) Quando da codificação da Doutrina Espírita,
Meu comentário (Akino): Ninguém conhece mais a mim se não eu e minha família mais próxima (esposa e filhos). Qualquer pessoa de fora que se arriscar a julgar-me sobre os aspectos morais, de caráter, sem me conhecer, senão por uma ou duas horas de conversas, só com base em postagens que faço, tem 9,9999….% de chances de errar. A esses recomendo que reflitam sobre o ensinamentos de Santo Agostinho.
Akino Maringá, colaborador

Angelo Rigon

Jornalista em Maringá. Começou em jornal aos 14 anos, foi editor-chefe dos três jornais diários de Maringá. Pioneiro em blog político, repórter e apresentador de programa de televisão, apresentador de programa político nas rádios Jornal, Difusora e Banda 1, comentarista das rádios Metropolitana e Guairacá, editor de diversos jornais e revistas, como Umuarama Ilustrado, Correio da Cidade, Expresso Paraná, Maringá M9 e Página 9. Atualmente integra o cast da Jovem Pan Maringá.

2 pitacos em “Conhece-te a ti mesmo

  1. “Focado em Deus”

    Versículo da semana: Pois isto é bom e agradável diante de Deus nosso Salvador, o qual deseja que todos os homens sejam salvos e cheguem ao pleno conhecimento da verdade. 1Tim. 2. 3-4.
    “Maldito o homem que confia no homem” Jeremias 17. 5

    Vamos a um esboço sobre este versículo bíblico tão conhecido e importante para nós.

    “Assim diz o SENHOR: Maldito o homem que confia no homem, faz da carne mortal o seu braço e aparta o seu coração do SENHOR!” Jm. 17. 5.

    Agora o que seria este “confiar” que a Bíblia se refere? A continuação do verso nos explica, mas vamos por partes.
    Se não existir da nossa parte “certa” confiança com as pessoas nenhuma relação subsistiria, por exemplo: Se não houver nenhuma confiança do marido para com a esposa ou vice – versa, você acha que essa relação vai muito longe? Não!
    Se não houver “certa” confiança entre o patrão e o empregado você acha que essa parceria vai dar certo? Não!

    O que Deus nos adverte nesse verso é a respeito de fazer da carne mortal o nosso braço, a nossa força, a nossa fonte de recursos, por que quando isto acontece automaticamente a pessoa aparta o seu coração do Senhor.

    E hoje eu te convido a ver este verso por outra ótica pois sempre que lemos tendemos a interpreta-lo
    somente com relação aos outros seres humanos (homens) e parece que nos esquecemos que o somos . Por que como o outro está sujeito ao erro eu também estou, como o outro pode pecar eu também posso, e neste aspecto podemos dizer que estamos todos no mesmo nível, quer dizer, todos na condição de seres humanos.

    Então poderíamos dizer: Maldito o homem que confia em si mesmo, e faz da carne mortal o seu braço…

    A realidade é que devemos ter um “pé atrás” com nós mesmos, afinal veja o que diz Jeremias 17. 9: “Enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, e desesperadamente corrupto; quem o conhecerá?” Este coração não é o órgão que bombeia o sangue para o nosso corpo, mas sim o nosso pensamento, a vontade humana, os sentimentos… Então como confiar plenamente em si mesmo? Não dá!

    Não sou eu que devo guiar, direcionar por mim mesmo a minha vida, mas permitir que Deus o faça!

    Quantos pensam ser auto-suficientes e no seu orgulho estão se afundando cada vez mais, quantos pensam que Deus é opcional e não essencial.

    “Assim, por ti mesmo te privarás da tua herança que te dei, e far-te-ei servir os teus inimigos, na terra que não conheces; porque o fogo que acendeste na minha ira arderá para sempre.” Jm. 17.4.

    “Porque será como o arbusto solitário no deserto e não verá quando vier o bem; antes, morará nos lugares secos do deserto, na terra salgada e inabitável.” Jm. 17. 6.

    O homem destrói a si mesmo pelo seu comportamento, suas escolhas. A semente por si só não chega a lugar nenhum, mas se plantada na terra, e regada adequadamente, brota, nasce, cresce, e dá seu devido fruto. Ou seja, ela precisa disso, e o ser humano precisa de Deus!

    “Bendito o homem que confia no SENHOR e cuja esperança é o SENHOR. Porque ele é como a árvore plantada junto às águas, que estende as suas raízes para o ribeiro e não receia quando vem o calor, mas a sua folha fica verde; e, no ano de sequidão, não se perturba, nem deixa de dar fruto.” Jm. 17. 7-8.

    Todos os recursos que precisamos vem de Deus e não de nós mesmos. Reconheçamos que não podemos fazer da carne mortal nosso braço, nem em relação a nós e nem em relação aos outros! Nunca aparte seu coração de Deus pois só Ele é digno de toda confiança. Aquele que é onipresente, onipotente e onisciente!

    Paz do Senhor!

  2. ambrosio brambilla diz:

    O grande prazer do ser humano é discutir política, futebol e religião, sobretudo vencer estes debates perante outras ideias.
    Porém, muitas pessoas não tendo habilidades técnicas nem conhecimento profundo, passam a nos atacar pessoalmente com palavras que nos machucam.
    Isso envenena nosso corpo e nos adoecem após um longo tempo.
    O remédio para isso é se abster aos debates.
    O psicológico abatido, é complicado, mas o prazer dos debates também nos faz bem através dos elogios, mas estes são poucos.

    Santo Ambrósio converteu Santo Agostinho, mas em política acho que não converteremos ninguém.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode usar estas HTML tags e atributos:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>