Números consolidam Flim como evento de repercussão nacional

A avaliação final da Festa Literária Internacional de Maringá reafirma previsão inicial que apontou presença de cerca de 50 mil pessoas no evento entre os últimos dias 21 e 25.

Documento divulgado pela Secretaria de Cultura refina números para sublinhar o tamanho da festa, que este ano foi realizada no estacionamento do Estádio Willie Davids. Nos anos anteriores, o evento acontece no Centro de Convivência Renato Celidônio (praça da Prefeitura).
A pesquisa concluiu que os 28 expositores, a maioria livrarias e editoras, comercializaram cerca de R$ 120 mil, aproveitando-se do fluxo de visitantes nas duas dezenas de espetáculos artísticos e palestras. Pelo menos 5 mil crianças de escolas públicas aprenderam a ser divertiram na Flim, palco do lançamento de pelo menos 31 livros. Os investimentos no evento cresceram de R$ 310 mil em 2014 para R$ 706 mil este ano.
O número de visitantes evoluiu de 10 mil em 2014 para 50 mil este ano. “Os dados mostram surpreendente crescimento da festa em todos os aspectos, a começar pela consolidação do evento como palco da celebração da cultura num ambiente de diversidade e democracia”, destaca o secretário de Cultura, Miguel Fernando, que atribui o sucesso à extensa programação e à estrutura, maior e mais afinada com os objetivos do evento.
Pesquisa feita pela organização da Flim também apontou para a satisfação de visitantes. Para 83%, o evento foi excelente (52,3%) e muito bom (31,5%). Para quase 90% dos entrevistados, é de 90% a possibilidade de participar novamente da festa. Para mais de 80%, a localização foi ‘excelente’ e ‘muito boa’. Entre os expositores os números também são bastante positivo, consolidando a Flim como um evento de repercussão nacional.(PMM)

Angelo Rigon

Jornalista em Maringá. Pioneiro em blog político, foi repórter e apresentador de programas de rádio e televisão, além de ter editado jornais e revistas. É comentarista da Jovem Pan Maringá.

5 pitacos em “Números consolidam Flim como evento de repercussão nacional

  1. Aposentado diz:

    Muito bom, pena ser eventos isolados, sendo que a Cidade de Maringá, deveria ter mais eventos ligado a educação, leitura, uma grande Casa de Cultura, cursos, palestras, ampla biblioteca para leitura, e estudo. Para alunos dos colégios, e população em geral.
    Um local público que incentivasse a educação, e cultura, e que funcionasse aos sábados, não somente em horário comercial.

  2. Schwartzundweiss diz:

    Não são eventos isolados, não!
    Há vários e ótimos eventos ligados à educação, à cultura, às artes, ao conhecimento. Às vezes precisamos eleger um deles, pois há possibilidade de escolhas e todos são ótimos.
    Informe-se. Por exemplo, eis uma das oportunidades:
    “A Secretaria de Cultura realiza, entre os dias 3 a 7 de dezembro, o curso “História de Maringá: décadas de 1960, 1970 e 1980”. As inscrições são gratuitas e devem ser feitas aqui. O curso acontece das 9 às 11 horas, na Sala de Exposições do Teatro Calil Haddad (1º andar), e terá como ministrante o historiador do município, João Laércio Lopes Leal. Vagas limitadas: 50 pessoas.” Foi divulgado e incentivado aos interessados que fizessem suas inscrições. Verifique se ainda há vagas e vá participar deste que é um dos numerosos eventos promovidos pela Secretaria de Cultura.
    Informe-se sobre os Eventos culturais em nossa Cidade.
    São muitos. Participe!

  3. Contribuinte diz:

    E que a Seduc não desmonte mais bibliotecas para usar o espaço para aumentar o número de salas de aula na rede municipal de ensino!

  4. Parabéns a a ex-secretaria da cultura Olga Agulhon, que foi a grande idealizadora do evento, tudo começou com ela.

  5. Esta nova gestão (Miguel) inovou em alguns aspectos o que foi muito bom, bem diferente das feirinhas pobres da gestão anterior (Olga) que já não atraia mais ninguém. E quanto a questão Seduc/bibliotecas, não entendo porque não as agregam a secretaria da educação onde seriam bem mais aproveitadas, uma vez que a cada dia estão mais vazias.

Deixe seu pitaco