Gari faz novas ameaças contra Mário Verri

Luizinho Gari

“Eu vou usar todas as minhas forças para acabar com o Mário Verri”.
Ao som de tapas e socos nos móveis de seu gabinete, essa foi uma das frases proferidas a gritos pelo vereador Luizinho Gari (PP) hoje,logo após o término da sessão extraordinária realizada para julgar denúncia contra ele por quebra de decoro parlamentar.

Os gritos e barulhos assustaram funcionários do Legislativo que correram para ver o que estava acontecendo. Ignorando os pedidos para se conter, o vereador afirmou que se preciso usará arma de fogo. “Coloca uma arma na minha mão para ver. Eu sou homem rapaz!”
Luizinho Gari foi absolvido da denúncia por quebra de decoro. Apenas Humberto Henrique (PT) e Flávio Vicente (Rede) votaram pela perda do mandato. Ambos entenderam que o fato do vereador ter ficado preso por 11 dias por ter violado dispositivo da Lei Maria da Penha caracteriza atitude incompatível com o cargo. O próprio acusado afirmou em sua defesa que não agrediu fisicamente a sua ex-esposa, mas que a prisão decorreu do descumprimento de medida protetiva.
Mário Verri (PT) presidiu a comissão processante e votou pela absolvição. Mas Gari ainda enfrenta outro processo que pode resultar na cassação de seu mandato. Pesa em seu desfavor a acusação de ter mandado entregar uma carta com ameças a Verri. O conteúdo sugere a intenção de fazer chantagem e atrapalhar os trabalhos da comissão contra ele.
Gari, que não é obrigado a falar a verdade, disse na outra comissão processante que não é o autor da carta. Após ter sido denunciado, porém, mudou a forma como assina os documentos na Câmara. Antes escrevia com letra de forma, o mesmo padrão de letra usado na carta que Verri recebeu. Depois passou a assinar com letra cursiva.

Angelo Rigon

Jornalista em Maringá. Pioneiro em blog político, foi repórter e apresentador de programas de rádio e televisão, além de ter editado jornais e revistas. É comentarista da Jovem Pan Maringá.