MP do Paraná afasta promotor que tocava investigação a políticos

De Gabriel Mascarenhas no site da revista Veja:

O Ministério Público do Paraná tirou do circuito um dos promotores responsáveis por inquéritos da Operação Quadro Negro, que apura um esquema de desvios de recursos de construção de escolas e já chegou à antessala de Ricardo Barros.

O promotor em questão protocolou sete ações contra deputados estaduais, participou de duas delações premiada e caminhava para finalizar processos de improbidade administrativa relativos a gente graúda.
Na mira dele estavam o governador, Beto Richa; o presidente da Assembleia do Paraná, Ademar Traiano; e o secretário da Casa Civil e deputado federal licenciado, Valdir Rossoni, entre outras excelências.
Há dez meses, o promotor pede a anuência do procurador-geral da Justiça, Ivonei Sfoggia, para notificar Richa e Traiano. Precisava ouvi-los para concluir as ações.
Sem resposta há quase um ano, o promotor decidiu enviar as notificações às autoridades. Mexeu com os poderosos, a casa caiu.
Inconformado, Sfoggia, que chegou ao comando do Ministério Público nomeado por Beto Richa, informou seu subordinado que ele deixaria o grupo de trabalho responsável pela Quadro Negro.
Como justificativa do afastamento, ele alegou que o promotor estava sobrecarregado…

Angelo Rigon

Jornalista em Maringá. Pioneiro em blog político, foi repórter e apresentador de programas de rádio e televisão, além de ter editado jornais e revistas. É comentarista da Jovem Pan Maringá.