Presidente do TCE-PR critica Homero Marchese após post de Bolsonaro

De João Fey, na Gazeta do Povo:

Após o presidente Jair Bolsonaro (PSL) divulgar um vídeo sobre o pedido de demissão do agora deputado estadual Homero Marchese (Pros) do cargo que ocupava no Tribunal de Contas do Paraná, o presidente do órgão, conselheiro Nestor Baptista, enviou uma carta ao presidente da República. No texto, ele sugeriu que o pedido de exoneração teve intenções políticas e questionou a divulgação da reportagem de 2013 pelo presidente da República.
Leia a nota na íntegra:

“Senhor Presidente,
A ponte em questão foi construída na pequena Tuneiras do Oeste, sobre o córrego Arroio das Cobras, na estrada de acesso ao bairro Boa Sorte, ao valor de R$ 12 mil reais.
O julgamento das contas do Executivo ocorreu em 17 de novembro de 2.011, quando a obra já tinha sido entregue, portanto não existia irregularidade que justificasse a desaprovação.
Tal servidor, ocupante de cargo de analista, efetivamente pediu demissão por não concordar com outros argumentos técnicos apresentados no processo que eram diferentes dos seus.
Soou inconcebível, à época, que ser contrariado num parecer pudesse ter levado um servidor concursado a pedir demissão, em meio às várias manifestações a que um processo em julgamento é submetido nas várias áreas técnicas que o orientam.
Mas, a verdadeira intenção ficou clara já nas eleições que se seguiram.
É admirável que a presidência da República dedique seu precioso tempo para se importar com uma notícia veiculada em 2″013, de um fato referente a oito anos atrás, em meio a tantos e tão complexos problemas enfrentados por este país.
Especialmente com um fato que foi usado como projeção política para se alcançar uma eleição para vereador, anos depois.

Gabinete da Presidência,
Tribunal de Contas do Estado do Paraná.”

Angelo Rigon

Jornalista em Maringá. Pioneiro em blog político, foi repórter e apresentador de programas de rádio e televisão, além de ter editado jornais e revistas. É comentarista da Jovem Pan Maringá.