Há 55 anos Maringá perdia
o professor Giampero Monacci

O dia 11 marcou os 55 anos do falecimento do professor Giampero Monacci, lembra Marco Antonio Deprá.

Filho único de Giovani Monacci e Anna Venture, nasceu em Pisa, na Itália, no dia 3 de setembro de 1925. Depois do final da II Guerra Mundial, casou-se com a francesa Maria Louise Angele Monacci. A lua-de-mel seria na Argentina, porém, durante a viagem de navio conheceu o então diretor do Ginásio Maringá, Anthero Alfredo Chaves Santos, que o convidou a conhecer a jovem cidade de Maringá que clamava por bons professores.
Giampero chegou ao Brasil em março de 1954, aceitou o convite do professor Anthero e em junho já estava na Cidade Canção lecionando no Ginásio Maringá.
Desde então lecionou francês, inglês, matemática, física, química, estatística e mecanografia. Atuou em estabelecimentos de ensino em Mandaguaçu, Campo Mourão, Loanda, Sabáudia, Cianorte e Mandaguari, sempre residindo em Maringá. Foi diretor de colégio e inspetor regional de ensino.
Giampero Monacci faleceu aos 38 anos, no dia 11 de junho de 1964, dez anos após ter chegado ao Brasil. Seu corpo está sepultado no Cemitério Municipal de Maringá.
Deprá informa que após seu falecimento, sua esposa transferiu residência para a cidade de Santos (SP) e, depois, Cachoeira Paulista (SP), onde veio a falecer em 5 de maio de 2015. Tânia Maria Monacci, a única filha do casal, mora na Itália.
Em 1970, foi criada a “Olimpíada de Matemática Professor Giampero Monacci”, iniciativa da Prefeitura Municipal, Rotary Club e Inspetoria Regional de Ensino. Este evento movimentou escolas e alunos incentivando o ensino da matemática. Depois de alguns anos deixou de ser realizado.
Atualmente Giampero Monacci empresta seu nome a uma rua no Jardim Novo Horizonte em Maringá e a um Colégio Estadual na cidade de Itambé (PR).

Angelo Rigon

Jornalista em Maringá. Pioneiro em blog político, foi repórter e apresentador de programas de rádio e televisão, além de ter editado jornais e revistas. É comentarista da Jovem Pan Maringá.