Diálogos indicam que Moro instruiu força-tarefa a não apreender
celulares de Eduardo Cunha

O BuzzFeed News é o mais novo parceiro na apuração das mensagens secretas da Lava Jato. O site junta-se a #VazaJato para ampliar a cobertura assim como Folha de S.Paulo, revista Veja, El País, UOL e o jornalista Reinaldo Azevedo.

Os diálogos analisados para esta primeira reportagem mostram que, na véspera da prisão de Eduardo Cunha (na foto, embarcando para Curitiba, após ser preso pela PF), os procuradores queriam a apreensão do seu aparelho celular, mas foram convencidos do contrário pelo ex-juiz Sergio Moro.
Conversas entre Deltan Dallagnol, chefe da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba, e Moro revelam que os procuradores pretendiam convencer o ex-juiz sobre a apreensão. Depois de ouvir de Moro que não era “uma boa”, Dallagnol insiste: “Mas gostaríamos de explicar razões”. Procurador e juiz então se encontram pessoalmente e, ainda que não haja registro do que trataram na conversa, nos chats Deltan explica porque desistiu: “Cnversamos [Conversamos] aqui e entendemos que não é caso de pedir os celulares, pelos riscos, com base em suas ponderações”, afirma.
A manobra planejada pelo juiz e os procuradores é mais um exemplo do método da Lava Jato para driblar entraves legais nas investigações. A matéria lembra que:
O caso de Cunha não é isolado nos diálogos em que Moro e integrantes do Ministério Público da Lava Jato discutem formas de driblar um possível deslocamento da competência das investigações para o STF.
Reportagem de Veja publicada no mês passado em parceria com o Intercept diz que Moro tentava manter os casos da Lava-Jato em seu poder em Curitiba, citando como exemplo os processos do ex-presidente Lula relativos ao triplex do Guarujá e ao sítio de Atibaia. Leia matéria completa aqui.

(Foto: Wilson Dias/EBC)

Angelo Rigon

Jornalista em Maringá. Pioneiro em blog político, foi repórter e apresentador de programas de rádio e televisão, além de ter editado jornais e revistas. É comentarista da Jovem Pan Maringá.