Justiça mantém suspensão da posse do presidente eleito da Fiep

O desembargador Ney Fernando Malhadas, do Tribunal de Justiça do Trabalho, indeferiu o pedido da Federação das Indústrias do Paraná que pediu a cassação da liminar concedida a José Eugênio Souza de Bueno Gizzi, que perdeu a eleição para a presidência por 49 votos a 47.

No pedido que acabou por suspender a posse no novo presidente, Carlos Walter (foto), a justifica foi que “houve conflito de interesses em processo eleitoral, razão pela qual houve previsão em seu Novo Estatuto e em seu Novo Regulamento Eleitoral que a responsabilidade pela condução de processos decorrentes de pleitos eleitorais incumbe a uma Comissão Eleitoral, formada por industriais, ao passo que à Gerência Jurídica do Sistema Fiep incumbe a defesa dos interesses da instituição, no caso, de guardar a higidez, a integridade e estabilidade do processo eleitoral, assegurar sua transparência e regularidade, bem assim a observância dos princípios inerentes à democracia sindical e à prevalência da vontade da maioria”. Portanto, segundo decisão do desembargador, a assembleia geral extraordinária terá de ser realizada no próximo dia 26. (Via Zé Beto)

Angelo Rigon

Jornalista em Maringá. Pioneiro em blog político, foi repórter e apresentador de programas de rádio e televisão, além de ter editado jornais e revistas. É comentarista da Jovem Pan Maringá.