O STF quer ser Jesus Cristo?

A maioria das doutrinas de religiões cristãs  entende,  e criou-se uma espécie de jurisprudência, se comparada ao direito, que a crucificação de Jesus Cristo, e seu sangue derramado representam o perdão dos pecados  da humanidade.

Como no STF há duas correntes. Uma que acredita que é preciso confessar a um sacerdote e arrepender-se para obter a remissão dos crimes contra a lei de Deus. Outra que basta aceitar Jesus como salvador, aderir à religião, contribuir com dízimo, fazer ofertas e ainda que tenha sido o maior assassino, ladrão, corrupto, todos os pecados estarão perdoados e o rei dos céus garantido, até o juízo final.

Juízo final seria o trânsito em julgado, até lá ninguém é culpado e mais que isso, já há a garantia da absolvição.

É mais ou menos isso que o o STF está querendo fazer. Todos os criminosos, ainda que assassinos confessos, enquanto não houver o juízo  final ( trânsito em julgado), serão presumidamente inocentes e não poderão ser presos. Claro que para isso terão de recorrer aos sacerdotes advogados, pagando um dízimo alto e insistir em recursos e mais recursos

É justo, perante a lei de Deus, um grande criminoso, só por se confessar, ou aceitar Jesus como salvador ser perdoado de tudo e ir para Céu?  Há uma Doutrina que nos ensina que teremos que passar pela expiação, sem que isso represente o olho por olho, dente por dente, mas como correção, para sentir na pele e não mais cometer os mesmos crimes ( pecados, se preferirem) . E também pelo amor, um assassino que tirou muitas vidas, pode reencarnar e como médico, fazendo da medicina um sacerdócio, salvar muitas vidas. Alem de outras muitas formas de, pelo bem, reparar o mal de fez. Seriam as penas alternativas, como a prestação de serviços à comunidade.

Pedindo vênia aos que entendem de forma diferente, o STF não é Jesus Cristo e o Cristo veio para nos salvar pelo exemplo, e nos deixando a Lei Maior de todas que é a Lei do Amor, que precisamos cumprir para evitar a condenação já na primeira instância. E o que é amar?

Amar, no sentido profundo do termo, é o homem ( ser humano) ser leal, probo, consciencioso, para fazer aos outros o que queira que estes lhe façam; é procurar em torno de si o sentido íntimo de todas as dores que acabrunham seus irmãos, para suavizá-las; é considerar como sua a grande família humana, porque essa família todos a encontrareis, dentro de certo período, em mundos mais adiantados; e os Espíritos que a compõem são, como vós, filhos de Deus, destinados a se elevarem ao infinito. Assim, não podeis recusar aos vossos irmãos o que Deus liberalmente vos outorgou, porquanto, de vosso lado, muito vos alegraria que vossos irmãos vos dessem aquilo de que necessitais. Para todos os sofrimentos, tende, pois, sempre uma palavra
de esperança e de conforto, a fim de que sejais inteiramente amor e justiça- ( Sansão- Membro da Sociedade Espírita de Paris-1863) Leia mais aqui.

Akino Maringá, colaborador

(Foto: Carlos Moura)

Angelo Rigon

Jornalista em Maringá. Pioneiro em blog político, foi repórter e apresentador de programas de rádio e televisão, além de ter editado jornais e revistas. É comentarista da Jovem Pan Maringá.