PF faz operação contra tráfico internacional de armas; mandado é cumprido em Maringá

A investigação apontou que a quadrilha utilizou uma empresa do ramo audiovisual para armazenar materiais bélicos importados de forma irregular, os quais eram comercializados clandestinamente

A Polícia Federal deflagrou na manhã de hoje a Operação Ficção ou Realidade, com o objetivo de apurar a prática de tráfico internacional de armas de fogo e acessórios oriundos dos Estados Unidos, além de comércio clandestino de material bélico a facções criminosas e milícias do Rio de Janeiro.

Policiais federais cumprem seis mandados de busca e apreensão, expedidos pela 2ª Vara Federal Criminal no Rio de Janeiro, em endereços residenciais localizados nas cidades do Rio de Janeiro, Curitiba e Maringá.

A investigação, que foi iniciada com base em informações da Receita Federal, revelou que o grupo investigado importava material bélico de forma irregular e contratou uma empresa do ramo de efeitos cinematográficos para armazenar clandestinamente os armamentos, sob a premissa de estar lidando com materiais de efeito não lesivo destinados ao serviço de show pirotécnico, para que não levantasse suspeita sobre a atividade criminosa.

Em janeiro deste ano, autoridades estadunidenses apreenderam, em Miami, expressiva quantidade de material bélico que estava prestes a ser enviado clandestinamente ao território nacional.

Na ocasião, foram apreendidos: 261 carregadores de alta capacidade, geralmente utilizados por milicianos e traficantes para exercer domínio territorial, visto que comportam até 90 munições de grosso calibre e alto poder destrutivo; e 88 acessórios de conversão de armas de fogo chamados de “Kit Roni”, que conferem maior estabilidade e precisão ao armamento, assim como transformam armas semiautomáticas em armas automáticas ou que disparam rajadas de tiros.

Os investigados responderão pelos crimes de tráfico internacional e comércio clandestino de armas de fogo e acessórios, além de associação criminosa. Caso sejam condenados, eles poderão cumprir pena de até 31 anos de reclusão.

A operação contou com o apoio da Força Integrada de Combate ao Crime Organizado no Estado do Rio de Janeiro, do Serviço de Aduanas e Proteção de Fronteiras dos EUA em Miami, Divisão de Segurança de Contêineres dos EUA em Santos e da Força-Tarefa Internacional de Combate ao Tráfico de Armas e Munições, unidade supervisionada pelo Serviço de Repressão ao Tráfico de Armas da Polícia Federal e composta por PF, Secretaria Nacional de Segurança Pública do Ministério da Justiça e Homeland Security Investigations – principal braço investigativo do Department of Homeland Security dos Estados Unidos.

A operação foi intitulada “Ficção ou Realidade” devido à hipótese criminal investigada quanto à influência e dissimulação praticada, através da empresa do ramo de efeitos cinematográficos, no tráfico e comércio clandestino de arma de fogo.

Fraudes contra a Caixa – A Polícia Federal investiga fraudes contra a Caixa Econômica Federal, a partir de notícia-crime remetida pela CEF sobre a ocorrência de fraudes em cartões de crédito. Com a utilização de golpe em que, de posse fraudulenta da linha telefônica dos correntistas, era realizado contato com a Caixa solicitando alteração de dados cadastrais e emissão de novo cartão, o que provocou prejuízos à referida empresa pública federal em valor superior a R$ 200 mil.

São cumpridos quatro mandados de busca e apreensão nos endereços dos suspeitos de envolvimento com as fraudes investigadas, em Curitiba, que podem responder pelo crime de furto qualificado. (C/ PF)

Fotos: Divulgação/PF

Advertisement
Advertisement