bolsa ccs

Akino

‘Seja macho’, relator…

… proponha cortes de 80% nas despesas com comissionados não concursados nos três poderes e no MP federal e sugira o mesmo nos estados e municípios.
Dirijo-me ao deputado Ricardo Barros que quer cortar só no ‘bolsa família’ e o ‘seja macho’, embora seja uma expressão machista, que não gosto, é popular e serve para reforçar que é muito mais fácil bater e cortar no mais fraco. Se for preciso, que se acabe com o bolsa família, mas acabe com o verdadeiro ‘bolsa CCs’ e pode ser considerado tão perverso, como compra de votos, pois a sociedade paga cabos eleitorais para quem está no poder, criando uma concorrência desleal para os que querem disputar eleições.
Akino Maringá, colaborador

Akino

Por que Ricardo Barros não corta o ‘bolsa CCs’?

Reage MaringáO deputado, que tem aparecido no noticiário com a proposta de corte de R$ 10 bilhões no orçamento para pagamentos do bolsa família, poderia propor um corte de 80% em todos os CCs inúteis, cabos eleitorais, começando pela Prefeitura de Maringá, onde há pelo menos uns 300 de custam de R$ 15 a 20 milhões anualmente ao contribuinte, pagos a pessoas indicadas por ele e seus parceiros políticos.
Entre deputados estaduais, federais e senadores, um grande número de cabos eleitorais poderia ser cortado e a economia talvez cobrisse o corte do Bolsa Família. Vamos aproveitar o nomento e acabar com salários de vereadores em municípios de até 200 mil habitantes e com a farra dos CCs. A hora é esta deputado. V. Excia tem se mostrado tão corajoso ao propor o cortes no bolsa família, pode ficar na história e de quebra resgatar alguns pecados. Isto ajudaria muito no julgamento a que será submetido na ‘Conselho de Ética’ de Deus’, digamos assim, pois lá não haverá corporativismo que salve políticos como Eduardo Cunha e o senhor.
Akino Maringá, colaborador