magro

Akino

Magro, mas nem tanto

Ontem, caminhando no Parque do Ingá, cruzei (no bom sentido) com o jornalista Edivaldo Magro, que tive o prazer de conhecer nos no início da década passada, quando era editor de O Diário. Bom camarada, com o qual nunca mais conversei. Jornalista dos bons, teria carreira brilhante em qualquer dos jornais locais, não fossem as limitações de conteúdo a que são submetidos, para atender interesses do dono da cidade. Não acha, Frank? Voltando ao título, o Edivaldo pareceu-me um pouco acima do peso, mas esforçando para perder, a julgar pelo ritmo da caminhada.
PS: Será que alguns ainda nos confundem ?
Akino Maringá, colaborador

Geral

Luto na música

O cenário musical ficou mais pobre, com a perda, aos 77 anos, de Liu, da dupla com Léu, que atuou por mais de meio século (meu pai era fã dos dois), e de Antônio José Waghabi Filho, o Magro do MPB4, autor de inesquecíveis arranjos vocais, aos 68.