Macieira e Rocha Loures decidiram…

…que não haverá queima de lixo em Maringá. Foi que o disse o líder do prefeito, falando a Milton Ravagnani, ferrenho defensor da técnica, e por consequência da instalação da usina que consumiria cerca de R$ 350 milhões. Heine, que antes defendia com unhas e dentes a queima, disse que diante das dúvidas surgidas sobre os possíveis males à saúde, o seu partido reunido, o seu presidente Rocha Loures e ele, que são médicos (palavras de Macieira), decidiram proibir a incineração de lixo em Maringá.
Meu comentário: Conta outra ‘Dotô’. Na verdade vocês dos PP desistiram pela pressão e convencidos que não dava para enganar todo mundo que o negócio era um grande negócio, para alguns (lembram de um telefonema que teria acontecido entre Leopoldo e Ricardo, que lhe custa um processo?). Como há em gestação um projeto de iniciativa popular, já com milhares de assinaturas, os senhores se anteciparam querem capitalizar. É indiscutível o grupo Barros é o grande derrotado neste negócio não concretizado. Vitória da sociedade que se manifestou contra e foi firme.
Akino Maringá, colaborador