Emenda em decreto legislativo? Só pode ser piada!

Vejam o teor da emenda apresentada pela dupla dr. Sabóia e Belino Bravin, a pedido de um certo figurão da política local. Os dois, Bravin e Sabóia, fazem um papel ridículo, digno de uma comédia pastelão. O documento contém um vício insanável, pois é assinado por um tal dr. Sabóia, e ao que consta o nome do vereador é Carlos Eduardo Saboia, e pelo que se sabe não requereu a mudança de nome, por processo judicial. Nunca se viu colocar nome de Secretários e ainda mais de um que não era mais secretário desde julho do ano em que as contas foram desaprovadas constar de decreto de desaprovação. E o pior, deixar de fora o nome do substituto. Brincadeira tem hora. E o presidente? Que papelão, sr. Hossokawa!
Só pensando em ser secretário num eventual governo Pupin. Onde está o procurador jurídico, que não dá parecer contrário a uma barbaridade dessas? Vai ver que estava cuidando de seus processos particulares, pois apesar de ganhar cerca de R$ 9 mil mensais, pode continuar advogando.

É bom frisar que as contas foram desaprovadas, não por má-fé ou desvio de recursos, mas porque empenhos que comprovariam a aplicação do percentual de 25% da educação, foram cancelados na administração Silvio/Pupin. Só quero lembrar que, em determinado ano, esta mesma administração comprovou um tal de Acervo da TV Cultura e Livros da Editora Globo, sem licitação e foi obrigado a cancelar depois de denúncias deste modesto colaborador. Será que foi cumprido o percentual? Humberto poderia dar uma olhada.
Akino Maringá, colaborador

Angelo Rigon

Jornalista em Maringá. Pioneiro em blog político, foi repórter e apresentador de programas de rádio e televisão, além de ter editado jornais e revistas. É comentarista da Jovem Pan Maringá.