MP apura denúncias envolvendo UEM

Entre os inquéritos civis abertos recentemente pelo promotor José Aparecido da Cruz, da Promotoria de Defesa do Patrimônio Público, está um que apura eventuais irregularidades no estabelecimento de convênios entre a UEM e a Fundação de Apoio ao Desenvolvimento Científico de Maringá, de 2006 a 2013. O MP apura ainda denúncias de irregularidades em concurso público realizado pela Universidade Estadual de Maringá para professor do
Departamento de Direito Privado; no estabelecimento de convênios entre a UEM e o Instituto de Pós-Graduação em Odontologia, entre a instituição e o Instituto de Pesquisa e Estudos Sócio-Econômicos (Ipese) de 2008 a 2013, entre a UEM   e o  Instituto de Tecnologia Agropecuária de Maringá , de 2005 a 2013, e entre a UEM e o Instituto de Tecnologia e Ciência Ambiental, de 2001 a 2013, além de um inquérito civil, instaurado no último dia 20, que investiga irregularidades em concurso público para provimento do cargo de professor titular do Departamento de Arquitetura e Urbanismo.

Angelo Rigon

Jornalista em Maringá. Pioneiro em blog político, foi repórter e apresentador de programas de rádio e televisão, além de ter editado jornais e revistas. É comentarista da Jovem Pan Maringá.

19 pitacos em “MP apura denúncias envolvendo UEM

  1. Carlos Rico diz:

    Engraçado, o candidato à presidência (Celso Nascimento) da chapa 1 que disputa o SINTEEMAR foi no meu setor e falou o bicho do MP e, especialmente, do promotor Cruz, que, pela fala, age de forma arbitrária e a administração da UEM deixa correr solto.

    O problema é que o dito cujo é um dos passageiros do trem da alegria da UEM e, como advogado de formação, acha que as leis são lindas e formosas quando atingem outras pessoas que não ele.

    Mais engraçado é que em certo momento o cara falou que a formação dele e a do Cruz é a mesma e que o que os distingue é que seu “antagonista” fez um concurso pra promotor.

    Além de incompetente – porque não fez o mesmo concurso que o promotor Cruz? -, cínico, uma vez que ele não fez concurso para advogado da UEM e mesmo assim a maínha Neusa Altoé e o paínho Luiz Antonio de Souza deram um jeitinho para ele e uma porrada de gente ser promovido à uma função que só conseguiria chegar através de concurso público.

    • Alguém que está deixando os outros serem arbitrários com ele, o melhor a fazer é contratar um bom advogado. Existem alguns por aí. É só procurar.
      E, quanto ao “trem da alegria”, parece que o bicho vai pegar mesmo, e o povo vai ter que voltar aos cargos de origem. Vai ser um belo exemplo para o país, e uma vergonha para os que foram beneficiados.

    • SsServidora diz:

      afff tô áqui tentando imaginar vc e sua chapa defendendo toda categoria, vc vai expô-los assim tbem, ou isso vc só faz com seus rivais, que feio né pensei que este tipo de político só existia nas esferas eleitorais para prefeito deputado ou outros cargos, mas numa eleição pra um entidade que busca a defesa e a luta em prol de trabalhadores ver isto é mesmo suul real.

  2. Caro Carlos Rico. De qual chapa que concorre ao Sinteemar você é? Isto porque sua fala, assim digamos tão cheia de “veneninho” não pode ser de inocente.

  3. Adam Smith diz:

    E mais uma vez meus pupilos do DHI passaram ilesos em seu concurso mandrake. A mão invisível do certame para professor de História em Ivaiporã regulou muito bem a entrada dos mestres. Um abraço para a Nova Esquerda do DHI e continuem em silêncio, heim!

  4. Sempre achei que os concursos para docente da UEM (e de outras universidades) sempre houve parcialidade, mas o regulamento mesmo do concurso deixa margens à isto. Se um membro da banca quiser te reprovar, ele acha defeito em tudo, nas cores utilizadas no diapositivo, no tamanho das letras, na bibliografia escolhida, da abordagem teorica utilizada, no método de ensino, na validade da traduçao dos teus documentos, enfim, tudo pode ser invalidado por quem conduz a seleçao. Como a banca é formada por vinculos afetivos (o presidente da banca convida um colega e um amigo de outra faculdade) estes nao se sentem à vontade em contradizer quem o convidou por uma questao de lealdade. Quem paga por este coorporativismo sao os candidatos, o nivel de qualidade do corpo docente constituido por membros selecionados pelo vinculo afetivo e nao pela competência em ensino e pesquisa.

  5. PELOS COMENTÁRIOS ACIMA, TODOS OS PITAQUEIROS DEVEM PERTENCER AO QUADRO DE SERVIDORES DA UEM…O QUE ESTÁ ACONTECENDO É PREOCUPANTE DO PONTO DE VISTA DA ÉTICA, DA MORALIDADE E DA SERIEDADE…E ALGUMA PRECISA SER REVISTA: A UEM, COMO ENTIDADE ACADÊMICA PÚBLICA DE ENSINO E EXEMPLO PARA A SOCIEDADE NÃO ESTÁ FAZENDO…OU NÃO CONSEGUE FAZER O DEVER DE CASA…E DEPOIS SE ACHAM NO DIREITO DE CRITICAR OUTROS SETORES PÚBLICOS…O QUE DE FATO DEVEM FAZER…MAS ANTES NÃO SE ESQUECER DO OLHAR PARA DENTRO DA PRÓPRIA CASA….

  6. tem um orgao na uem ,q presta serviço p o detran,tem duas pessoas la
    q cobra propina p liberar exame de vista p pessoas sem condiçao de dirigir,eles cobram 1200 reais ,o gaeco tem q investigar,eu sei ate o nome das pessoas,mas por motivos maiores n posso falar,e so investigar

  7. O grande covarde se esconde em mar de lamas e vive no anonimato coloque seu para que possamos saber quem é, vc viver escondido é o seu mundo.O Jogo seu esse covarde mal carater se não tem ok falar porque vive falando de pessoas que trabalha e não esta nem ai para vc seu sujo.Sera que vc não tem vergonha na cara, de nomes aos bois essa é a educação que seu pai te deu.

  8. Vivemos sob um novo jugo. O dos bacharéis. E a tendência é piorar. Li no Migalhas que, para ser procurador não precisa mais estar inscrito no ‘SINDICATÃO”.

Deixe seu pitaco