Questões pendentes

Anunciada a reforma administrativa na Câmara de Maringá, que vai gerar uma economia, algumas questões continuam pendentes, na visão deste colaborador. É legal a redução da jornada de trabalho dos servidores do Legislativo, de 35 a 40 horas para 30 semanais? Se for legal, é justo com os servidores municipais? O número de zeladores (as) e vigias não está superdimensionado? Há como justificar o pagamento de horas extras para esses servidores? Por que a Câmara precisa de um procurador jurídico comissionado, se o volume de serviço para dois advogados de carreira não é tão grande? Por que foi fixada a jornada de 20 horas para esses profissionais, se no Executivo é de 35 a 40? Talvez seja querer demais, mas gostaria de ter todas essas respostas.
Akino Maringá, colaborador

Angelo Rigon

Jornalista em Maringá. Pioneiro em blog político, foi repórter e apresentador de programas de rádio e televisão, além de ter editado jornais e revistas. É comentarista da Jovem Pan Maringá.