Vargas tinha relações com Youssef antes do caso Paolicchi

Paolicchi, Youssef, Vargas
O deputado federal petista André Vargas entrou em desgraça depois de participar de um aniversário em Maringá, no final do ano passado. Primeiro, o gesto “petista na Papuda“, ao lado do presidente do STF ; depois, a enxurrada de críticas com a foto ao lado da turma que passou o PT pra trás em Maringá nas últimas eleições; e, agora, o caso Youssef. Vargas, londrinense, diz que mantinha há 20 anos “relações sociais” com o o doleiro Alberto Youssef, preso num esquema de lavagem de dinheiro que teria movimentado US$ 10 bilhões. Vinte anos? Então significa que as “relações sociais” vinham de 1994, seis anos antes de estourar o escândalo do envolvendo Luiz Antonio Paolicchi, ex-secretário de Fazenda de Ricardo Barros, Said Ferreira e Jairo Gianoto. Como se recorda, Youssef foi condenado no mesmo escândalo, acusado de lavar dinheiro desviado da Prefeitura de Maringá, esquema descoberto pelo hoje procurador geral de justiça José Aparecido da Cruz no mesmo ano em que o PT venceu as eleições municipais. Ah: o aniversário a partir do qual Vargas passou a ter problemas foi do homem que promoveu Paolicchi a secretário…

Angelo Rigon

Jornalista em Maringá. Pioneiro em blog político, foi repórter e apresentador de programas de rádio e televisão, além de ter editado jornais e revistas. É comentarista da Jovem Pan Maringá.