Tribunais de contas: 62% dos conselheiros são políticos e 20% respondem processos


Encarregados de chefiar os órgãos que fiscalizam o uso dos recursos públicos, os conselheiros dos tribunais de contas dos estados brasileiros são, em sua maioria (62%), ex-políticos profissionais que fizeram carreira em cargos eletivos (como deputados e vereadores) ou de confiança direta do Executivo (secretários estaduais e municipais). Do total, 20% sofrem processos na justiça ou nos próprios tribunais de contas e 17% são parentes de algum político local. No Paraná, dos seis conselheiros quatro foram políticos com mandato. Os números são resultado de um levantamento inédito da Transparência Brasil sobre a vida pregressa de todos os 238 integrantes dos 34 tribunais de contas do país. Levantaram-se informações sobre processos na justiça e nos próprios TCs – inclusive condenações –, qual formação possuem, quais cargos tiveram antes de serem alçados à função e se mantêm parentesco com políticos.

Angelo Rigon

Jornalista em Maringá. Pioneiro em blog político, foi repórter e apresentador de programas de rádio e televisão, além de ter editado jornais e revistas. É comentarista da Jovem Pan Maringá.