Um assunto polêmico

sanduba

Sabe o projeto que estabelece regras para a comercialização de alimentos em veículos automotores e similares (os chamados food trucks), cuja aprovação recente foi comemorada como a descoberta da pólvora pelo vereador Flávio Vicente (Rede)?
Pois leitor lamenta que a lei não se aplique aos carrinhos de cachorro-quente, que existem em número significativo em Maringá, e que “são um verdadeiro lixo”. 


Ele conta que dias atrás pediu uma nota fiscal em um desses carrinhos e o vendedor disse que não tinha. “Sem contar a falta de higiene, que é total”, observa.
Pertinente também é sua observação sobre o licenciamento para o comércio ambulante. De acordo com a legislação, do comerciante exige-se um tempo mínimo de residência, “grau de dificuldade para prover o sustento próprio e
de sua família”, levando-se em consideração que seja portador de deficiência física, tenha número de filhos menores com idade escolar, se é aposentado e o valor do salário e se é viúvo ou viúva.
“É uma comédia. Nunca vi um pobre dono de carrinho”, resume.

Angelo Rigon

Jornalista em Maringá. Pioneiro em blog político, foi repórter e apresentador de programas de rádio e televisão, além de ter editado jornais e revistas. É comentarista da Jovem Pan Maringá.