Como combater a corrupção em Maringá…

Maringá

…bem como o desperdício de dinheiro público na administração municipal: Se eu fosse candidato proporia a criação da CGM – Controladoria Geral do Município, com funções além da Secretaria de Controle Interno, que atende recomendações técnicas do TCE-PR.
A CGM seria um órgão extraordinário, de auxílio ao prefeito, chefiada por um promotor aposentado (convidaria do dr. José Aparecido da Cruz para titular), que teria contadores como auditores em todos os órgãos. Atuaria em parceria com o Observatório Social, que seria ampliado e com a Câmara e Ministério Público.

Todas as agendas de secretários seriam publicadas na internet (audiências, pessoas que receberam, o que trataram). Conversas com o prefeito teriam sempre mais um secretário e assessor e seriam gravadas e na medida do possível o mesmo aconteceria com secretários.
Secretários teriam suas declarações de bens publicadas anualmente, antes de durante o exercício dos cargos.
Todas as licitações seriam auditadas e com resultados tornados públicos. Aditivos seriam situações excepcionais e teriam que ser muito bem justificados.
Qual candidato teria peito para implementar? Quem seria suficiente transparente e sério para não querer deixar nenhum rabo na sua gestão? Quem garante que terá tolerância zero com a corrupção e desvio de recursos?
Alino Rebouças, colaborador interino

Angelo Rigon

Jornalista em Maringá. Pioneiro em blog político, foi repórter e apresentador de programas de rádio e televisão, além de ter editado jornais e revistas. É comentarista da Jovem Pan Maringá.