UEM pode fechar, diz reitor

uem

O reitor da Universidade Estadual de Maringá, Mauro Baesso, disse hoje que a UEM pode fechar por estar desde ontem sem condições de empenhar qualquer tipo de despesa, em razão da não liberação de orçamento pelo governo do estado, qualificada de “medida arbitrária”.
Segundo Baesso, a instituição não tem dinheiro para pagar as bolsas dos alunos de graduação nem para empenhar qualquer material de consumo,

tampouco para pagar os serviços prestados por empresas, comprar rações para os animais, alimentos servidos no Restaurante Universitário, kits de reagentes para o Lepac (Laboratório de Ensino e Pesquisa em Análises Clínicas), ou ainda fazer a aquisição de equipamentos para desenvolver projetos internos, seja de prestação de serviços ou de ensino. Os recursos usados para estas despesas são oriundos da fonte 250, gerados pela própria universidade. A Reitoria vai agendar uma reunião com o governador Beto Richa para discutir o assunto. Leia o release divulgado pela UEM aqui.
O atual reitor da UEM aumentou de 13 para 39 o número de assessores da Reitoria, o que fez os gastos saltarem de R$ 62.130,22 mensais, em 2014, para R$ 223.424,66 em 2017. A instituição vinha usando o orçamento gerencial (que usa receita gerada pela própria UEM) para complementar a folha de pagamento, que cresceu por conta do aumento de cargos comissionados;

Angelo Rigon

Jornalista em Maringá. Pioneiro em blog político, foi repórter e apresentador de programas de rádio e televisão, além de ter editado jornais e revistas. É comentarista da Jovem Pan Maringá.