Sanepar ignora maringaense
e fecha central de atendimento
da rua Lima, no Alvorada

Sanepar Maringá

Num momento em que Maringá discute a qualidade dos serviços de água e esgoto da cidade que estão nas mãos da Sanepar, a Companhia de Saneamento do Paraná demonstra, mais uma vez, que não está nem aí para a cidade.

A partir de amanhã a tradicional central de atendimento ao cliente (inaugurada em 1980 como central de relacionamento) na rua Lima, ao lado da sede da empresa, estará fechada para o grande público do Jardim Alvorada, maior bairro da cidade, e de toda a zona norte.
Não se sabe de quem foi a ideia de fechar a central, se de algum dos indicados por Ricardo Barros e deputados estaduais que ocupam gordos cargos comissionados na empresa, se do presidente da empresa, que deve ser candidato a deputado federal em alguns meses, ou se, de repente, do próprio governador do estado. Mas a ideia parece ser de algum animal mamífero perissodátilo da família dos equídeos (Equus asinus).
O prefeito Ulisses Maia, enquanto chefe do poder concedente, poderia eventualmente reverter a cag(*)da que a Sanepar implementa oficialmente a partir desta segunda-feira. Ela desativa o atendimento ao público no Alvorada e ativa um escritório no Novo Centro, sob o argumento de que o atendimento vai melhorar a relação da empresa com seus clientes. Só a turma do Richa acredita…
Por mais justificativas que a Sanepar queira dar – a proximidade de agências bancárias, o que já acontece no Alvorada, é uma delas -, a mudança é de uma grosseira, um acinte sem tamanho da companhia com seus usuários, recentemente espoliados com um aumento considerável na tarifa – e este também disfarçado, coberto de “justificativas”.
O que circula é que o fechamento da central dar-se-á por conta de picuinhas internas, possivelmente porque alguém precisa de um espaço maior para seu gabinete.
Aliás, se o prefeito tiver que intervir, enquanto chefe do poder concedente, em localização de central de atendimento, melhor seria começar a pensar seriamente em retomar os serviços. De repente, vai melhorar bastante – principalmente se trouxer um ingrediente chamado bom senso, o que parece estar faltando à turminha que está, por enquanto, mandando por lá.

Angelo Rigon

Jornalista em Maringá. Pioneiro em blog político, foi repórter e apresentador de programas de rádio e televisão, além de ter editado jornais e revistas. É comentarista da Jovem Pan Maringá.