Presidente da Hemobrás
contraria ministro da Saúde

Amanda Miranda informa, no Jornal do Commercio, de Recife (PE), que o presidente da Hemobrás, Oswaldo Castilho, afirmou na audiência pública realizada ontem pela Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe) para debater o imbróglio envolvendo a estatal, que está renegociando o contrato para a produção do fator VIII recombinante, o produto com maior valor agregado previsto para a fábrica de Goiana, na Mata Norte do Estado. Em meio à articulação do ministro da Saúde, Ricardo Barros, para que a produção seja em Maringá (PR), seu reduto eleitoral, o acordo chegou a ser suspenso, mas uma liminar garantiu a sua manutenção.

O fator VIII recombinante é o medicamento distribuído pelo Sistema Único de Saúde (SUS) para hemofílicos. Hoje, uma Parceria de Desenvolvimento Produtivo (PDP) da Hemobrás com a empresa francesa Shire prevê a compra pela estatal, mas também a transferência da tecnologia para que a produção passe para Pernambuco até 2023. Barros, porém, quer fechar com um consórcio que engloba a empresa suíça Octapharma, citada na Operação Máfia dos Vampiros, e os laboratórios públicos Butantã, de São Paulo, e Tecpar, do Paraná, além da própria Hemobrás. Nesse novo negócio, a produção do recombinante passaria para a unidade do Paraná e em Pernambuco ficaria apenas o fracionamento do plasma. Leia mais.

Angelo Rigon

Jornalista em Maringá. Pioneiro em blog político, foi repórter e apresentador de programas de rádio e televisão, além de ter editado jornais e revistas. É comentarista da Jovem Pan Maringá.