Uma preocupação para a Sasc…

… e toda a administração Ulisses/Scabora. Fiquei sabendo hoje, que quase terminando o prazo de recadastramento de beneficiários do BPC – Benefício de prestação continuado, há muito por fazer.

Falta menos de um mês para acabar o ano, e muita gente não está ciente de que deve tomar algumas providências se quiser evitar dor de cabeça no pagamento do seu benefício de prestação continuada. O “BPC” ou “Benefício de Prestação Continuado” ou benefício assistencial” tem dois requisitos: que o titular seja pobre e seja idoso acima de 65 anos ou tenha algum problema de saúde relevante. E a prova da pobreza poderia ser feita de qualquer forma. Todavia, a partir de 2016 passou-se a exigir que o requisito econômico seja mediante cadastramento em programa social, CadÚnico, e cadastro do CPF.Como cada vez as regras previdenciárias vão se tornando mais rígidas, somente agora a alteração trazida pelo Decreto nº 8805/2016 será sentida com maior ênfase, tendo em vista que a norma confere um prazo para que as pessoas inscrevam-se ou atualizem os dados do CPF e do CadÚnico, a fim de poder caracterizar a condição de pobreza.
Minha sugestão é que se organize um mutirão de divulgação e cadastramento e paralelamente se faça gestão junto ao Ministério da Previdência (via nossos deputados e senadores), para que o prazo seja prorrogado, para pelos menos 31/03/2018, pois minha fonte garante que mesmo com todo esforço não se atingirá a meta de atualização dos cadastros, evitando a repercussão negativa que os cortes acarretarão.
Akino Maringá, colaborador

Angelo Rigon

Jornalista em Maringá. Pioneiro em blog político, foi repórter e apresentador de programas de rádio e televisão, além de ter editado jornais e revistas. É comentarista da Jovem Pan Maringá.