Sarandi suspende pregão com preço contestado pelo Tribunal de Contas

A Prefeitura de Sarandi suspendeu licitação para a compra de material de pavimentação depois que o Tribunal de Contas do Estado do Paraná apontou sobrepreço de 40% no valor do concreto betuminoso usinado a quente (CBUQ), material base para a produção de asfalto.

A medida, que evitou danos ao cofre desse município da Região Metropolitana de Maringá, é resultado da fiscalização preventiva atualmente realizada pelo TCE-PR nos processos licitatórios.
Ao analisar o edital do pregão presencial nº 54/2018, destinado à formação de registro de preço para a aquisição de CBUQ para atender às necessidades da Secretaria Municipal de Urbanismo, a equipe técnica de acompanhamento do TCE-PR fez dois apontamentos. O primeiro foi a necessidade de planejamento para estimar corretamente a quantidade de material a ser adquirido. Essa previsão de quantitativo mínimo no edital é uma exigência da lei estadual nº 17.081/2012.
A Coordenadoria de Acompanhamento de Atos de Gestão também apontou, no edital do Pregão Presencial 54/2018, a ocorrência de sobrepreço de 40% em relação ao valor do CBUQ indicado na tabela de referência do Departamento de Estradas de Rodagem do Paraná. Considerando o valor do edital, de R$ 6.060.000,00, o sobrepreço alcançava expressivos R$ 2.424.000,00.
A Cage enviou à Prefeitura de Sarandi um Apontamento Preliminar de Acompanhamento, informando as inconformidades constatadas no edital e questionando quais medidas corretivas seriam adotadas. Em resposta, a administração municipal informou que suspendeu o certame a fim de corrigi-lo, conforme os apontamentos do TCE-PR.

Angelo Rigon

Jornalista em Maringá. Pioneiro em blog político, foi repórter e apresentador de programas de rádio e televisão, além de ter editado jornais e revistas. É comentarista da Jovem Pan Maringá.