Ah, se fosse…

Há um ano e meio, revela Luciana Peña, a burocracia da prefeitura não deixa começar a reforma no prédio da Secretaria de Saúde, na avenida Prudente de Morais, onde tem goteiras.

Tudo bem que a Semop é considerada tartaruga de estimação, mas a coisa certamente andaria mais rápido se tratassem o caso com o mesmo desvelo e ligeireza com que o setor trata o Hospital da Criança da família Barros, construído com dinheiro público por uma ONG de Curitiba em local que deveria ser do Centro Cívico, sem licitação.

Angelo Rigon

Jornalista em Maringá. Pioneiro em blog político, foi repórter e apresentador de programas de rádio e televisão, além de ter editado jornais e revistas. É comentarista da Jovem Pan Maringá.