Juiz nega liminar

O juiz Jaime Souza Pinto Sampaio, do 3º Juizado Especial da Fazenda Pública, negou liminar na denúncia ajuizada pelo professor Ilton Jardim de Carvalho Junior em relação às eleições na UEM. A liminar poderia deixar em suspenso a sucessão na Universidade Estadual de Maringá, já que foram apontadas irregularidades no processo eleitoral.

Para o juiz, não existem nos autos elementos “que evidenciem a contento a probabilidade do direito pleiteado pelo requente em sua peça inaugural, valendo se destacar que a peça exordial não veio instruída com documento hábil a corroborar com o convencimento do juízo nesse sentido”. Acrescentou que a seu ver “não restou sobejamente demonstrado irregularidade nos atos praticados pela Comissão Eleitoral (…) a ponto de ensejar a concessão da tutela provisória de urgência”.
A decisão foi tomada após doze dias de protocolizada a ação e depois que o juiz Rafael Altoé, do 2º Juizado Especial da Fazenda Pública, declarou-se suspeito para processar e julgar a demanda. O juiz Jaime Souza Pinto Sampaio marcou uma audiência de conciliação para 23 de janeiro, depois de três meses da nova gestão da instituição, que assumiu esta semana.

Angelo Rigon

Jornalista em Maringá. Pioneiro em blog político, foi repórter e apresentador de programas de rádio e televisão, além de ter editado jornais e revistas. É comentarista da Jovem Pan Maringá.