Nova constrição

O desembargador Gilberto Ferreira, do Tribunal Regional Eleitoral do Paraná, deliberou no último dia 11 sobre a desaprovação das contas do diretório estadual do Partido Humanista da Solidariedade, da época em que era presidido pelo maringaense Valter Viana.

Foi realizado o bloqueio de ativos financeiros do partido, no valor de R$ 973,40, e, sem a manifestação sobre a penhora, a Justiça Eleitoral solicitou a conversão em renda do bloqueio efetuado e a realização de nova constrição, via BacenJud, de valores ou outros ativos financeiros que estejam em nome do ex-presidente, “em razão de possível movimentação financeira em suas contas motivada pelo período eleitoral”. O PHS apresentou memória de cálculo em que resta ainda débito no montante de R$ 25.320,62, valor que será objeto de nova penhora de dinheiro em espécie via BacenJud, sistema eletrônico de relacionamento entre o Judiciário e as instituições financeiras, intermediado pelo Banco Central. A decisão foi publicada hoje.

Angelo Rigon

Jornalista em Maringá. Pioneiro em blog político, foi repórter e apresentador de programas de rádio e televisão, além de ter editado jornais e revistas. É comentarista da Jovem Pan Maringá.