Maior receita da campanha de Homero Marchese veio do Pros, que, com PT e PCdoB, apoiou Haddad

No Facebook, o vereador Jean Marques cobrou seu ex-companheiro de Partido Verde, Homero Figueiredo Lima e Marchese (Pros), por ter recebido dinheiro da coligação do PT para sua campanha a deputado, quase 20% do total gasto.

“Já são 5 dias que dei publicidade”, escreveu Marques ontem, e “até agora nenhuma palavra, nenhuma explicação. Ao contrário, requentaram um ataque pessoal esdrúxulo contra mim. Uma tática mais velha na política do que andar pra frente. Ao menos, dessa vez, deixaram de ser covardes e não soltaram o vídeo “anonimamente” como haviam feito na primeira oportunidade. Assim, melancolicamente, vai aparecendo a verdadeira face para quem lhe creditava a pecha de injustiçado. O maringaense continua aguardando coerência e explicações sobre o recebimento – e uso – de dinheiro ligado ao PT em sua campanha para deputado”, acrescentou.
Dos R$ 109.514,10 recebidos pelo vereador Marchese, R$ 20 mil (18,26% do total) vieram da direção nacional do Partido Republicano da Ordem Social, que coligou-se com o Partido dos Trabalhadores e com o PCdoB em torno da candidatura de Fernando Haddad, o que contraria todo o discurso feito até então pelo vereador e deputado eleito.
Até então o parlamentar vinha negando qualquer relação com a coligação nacional formada com o PT.

Angelo Rigon

Jornalista em Maringá. Pioneiro em blog político, foi repórter e apresentador de programas de rádio e televisão, além de ter editado jornais e revistas. É comentarista da Jovem Pan Maringá.