Dinheiro jogado fora?

O incêndio nas instalações dos centros acadêmicos de Filosofia e Ciências Sociais, na Universidade Estadual de Maringá, abriu a oportunidade para se questionar a eficácia do investimento em segurança na instituição.

Em grupos de WhatsApp há quem observe que a gestão da UEM gastou quase R$ 3 milhões com a instalação de super câmeras, e nos dois episódios recentes (o corte de 13 árvores e o incêndio do bloquinho dos centros acadêmicos) não serviram pra evitar nem pra elucidar os casos.
O comentário quase generalizado é que nem parece que a UEM vive uma crise financeira.

Angelo Rigon

Jornalista em Maringá. Pioneiro em blog político, foi repórter e apresentador de programas de rádio e televisão, além de ter editado jornais e revistas. É comentarista da Jovem Pan Maringá.