Na Saldanha Marinho

Moradores da rua Saldanha Marinho, na Zona 7, pleiteiam a mudança do sentido dessa rua para mão única, no sentido Norte-Sul. Nos últimos anos, principalmente depois da implantação do sistema Binário, o fluxo de veículos cresceu muito nesta via pública.

Apesar das melhorias na sinalização vertical e horizontal, diariamente acontecem acidentes. O fato se agrava em virtude de que no bairro há muitos moradores idosos e crianças, alunos do Colégio Dr. Gastão Vidigal.
Em resposta a uma sugestão protocolada na Ouvidoria da Prefeitura (156) em Setembro/2017, o setor de Engenharia da Secretaria Municipal de Mobilidade Urbana informou que não poderia atender à solicitação dos moradores. O órgão alegou que a rua Saldanha Marinho tinha a função de distribuir o fluxo de veículos nos dois sentidos, considerando que a avenida Herval estava passando por reformulações em função das obras do corredor de ônibus da avenida Morangueira e obras de alargamento da rua Demétrio Ribeiro.
Ocorre que já se passaram 18 meses e tais obras ainda não foram concluídas. O problema continua. No último dia 2 um idoso faleceu depois de ser atropelado na Rua Saldanha Marinho, quase esquina com a Rua Marechal Deodoro.
A todo o momento os moradores se assustam ao ouvir o barulho de mais um acidente. O último aconteceu hoje um pouco antes do horário de saída dos alunos do Colégio Gastão Vidigal. Um veículo trafegando pela rua Floriano Peixoto invadiu a preferencial da rua Saldanha Marinho e bateu em um carro que rodopiou, passando por cima da calçada. Sorte que os alunos do colégio ainda estavam em aula.
Uma nova sugestão foi protocolada hoje na Ouvidoria da prefeitura. Vamos ver se desta vez os moradores serão atendidos.
Marco Antonio Deprá

Angelo Rigon

Jornalista em Maringá. Pioneiro em blog político, foi repórter e apresentador de programas de rádio e televisão, além de ter editado jornais e revistas. É comentarista da Jovem Pan Maringá.