Mário Clapier Urbinati, pequena biografia

Por Marco Antonio Deprá:

Mário Clapier Urbinati nasceu em Belém (PA), no dia 10 de setembro de 1900. Com meses de idade mudou-se com sua família para São Paulo (SP), onde fez todos os estudos diplomando-se pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, instalada no Largo de São Francisco.
Foi professor de história e geografia e diretor interino do Ginásio Estadual e Escola de Comércio de Nova Granada, pequena cidade próxima a São José do Rio Preto (SP), onde também foi Juiz de Paz e Promotor Público interino. Na capital paulista foi Delegado de Polícia.
Em São José do Rio Preto atuou como comerciante e advogado. Em 1920 abriu a primeira agência de revenda Ford da cidade, em sociedade com o empresário e político Feliciano Salles Cunha. Também foi proprietário dos cinemas Cine Boa Vista, Cine São José e Cine Capitólio e presidente do Esporte Clube Granadense, de Nova Granada. Era casado e tinha três filhos: José, Izilda e Mário Luiz.
Em 1950, então com 50 anos de idade, transferiu-se com a esposa e os dois filhos homens para Maringá, onde instalou um dos primeiros escritórios de advocacia da cidade, em sociedade com seu filho José Pires Urbinati, especializado em causas cíveis. A filha Izilda Urbinati Soares, já casada, ficou em São José do Rio Preto.
Seu filho, Mário Luiz Pires Urbinati, comerciante, foi eleito vereador pelo Partido Republicano – PR na primeira eleição municipal de Maringá. Teve 222 votos sendo o oitavo colocado nas eleições. Foi o candidato mais jovem a se eleger vereador na primeira legislatura (14/12/1952 a 14/12/1956) composta por nove vereadores. Mário Luiz nasceu no dia 31 de outubro de 1927 em São José do Rio Preto (SP). Quando tomou posse no cargo de vereador tinha 25 anos de idade. Em 1960, Mário Luiz mudou-se com sua família para São Paulo (SP) e em 1967 transferiu-se para São José do Rio Preto (SP), aonde veio a falecer em 10 de setembro de 2009.


Bancada do Partido Republicano na 1ª Legislatura da Câmara Municipal de Maringá. Da esquerda para a direita: José Mário Hauare, Basilio Sautchuk e Mário Luiz Pires Urbinati.

Mário Clapier Urbinati e a política
Nas eleições de 1954 e 1958, Mário Clapier foi candidato a Deputado Estadual pelo Partido Trabalhista Brasileiro – PTB. Em 1954 obteve 1.754 votos e ficou na 10ª vaga de suplência do seu partido. Em 1958 obteve 1.453 votos e ficou na 24ª vaga de suplência do seu partido.


“Santinho” da campanha de 1954


Anúncio em jornal de 1958 – apoio a Souza Naves para o Senado. Fonte: Site MPB-Maringá, Paraná, Brasil

Durante a década de 1950, Mário Clapier foi um dos principais redatores do periódico “O Jornal de Maringá”, onde mantinha a coluna “Crônica da Cidade” e “Crônica da Semana”.
Nas eleições municipais de 1960, Mário Clapier Urbinati candidatou-se a vereador pelo Partido Social Democrático – PSD. Foi eleito com 353 votos sendo o quinto candidato mais votado. Seu partido obteve cinco das quinze cadeiras da Câmara Municipal de Maringá na 3ª Legislatura (14/12/1960 a 13/12/1964). Sua eleição foi um fato sui generis na política maringaense: a primeira e única vez que alguém foi eleito vereador depois do filho – normalmente é o filho quem herda os votos do pai.
Inicialmente Mário Clapier ocupou o cargo de primeiro secretário do Poder Legislativo. Bom orador foi eleito Presidente da Câmara Municipal de Maringá ocupando o cargo no período de 1º/02/1962 e 1º/02/1964. No período de 11/2/1963 a 26/3/1963 assumiu interinamente o cargo de prefeito durante a ausência do prefeito João Paulino Vieira Filho.
Em 25 de março de 1964, a Resolução nº 56 da Câmara Municipal de Maringá considerou Mário Clapier Urbinati o primeiro vice-prefeito de Maringá, atendendo à legislação1 estadual que determinou a criação deste cargo nos municípios paranaenses. Tomou posse em 4 de abril de 1964 exercendo o cargo até o final do mandato, em 14/12/1964.
Mário Clapier Urbinati, experiente advogado criminalista, foi um dos mentores do então jovem advogado Horácio Raccanello Filho, que passou a atuar como seu assistente depois de Mário desfazer a sociedade que tinha com seu filho José Pires Urbinati. A banca advocatícia estava instalada na Avenida Duque de Caxias, nº 257 e prestava serviços em questões de família, inventários, inquilinato, cobranças, concordatas e falências. Mário Clapier atendia uma vasta região do Paraná – tinha clientes em Pato Branco e Londrina, por exemplo.


Anúncio em O Jornal, edição de 1º de outubro de 1967

Mário Clapier foi membro da Loja Maçônica Justiça de Maringá e do Rotary Clube de Maringá.
Segundo sua neta Ruth de Queiroz Urbinati Silva, Mário Clapier foi um dos articuladores da campanha que levou o então Deputado Estadual Haroldo Leon Peres a apresentar projeto na Assembleia Legislativa do Paraná que culminou na aprovação da Lei Estadual nº 5.218, de 23 de dezembro de 1965, de criação do Curso de Direito em Maringá, um dos cursos embriões da Universidade Estadual de Maringá.
Em 25 de setembro de 1968, a Câmara Municipal de Maringá, através da Resolução nº 120, outorgou o título de Cidadão Benemérito de Maringá a Mário Clapier Urbinati, primeiro vice-prefeito de Maringá. A entrega do título deu-se no dia 20 de setembro de 1969, na mesma sessão em que o Cônego Benedito Vieira Telles também foi agraciado com o título de Cidadão Benemérito.


Os agraciados Mário Clapier Urbinati e Benedito Vieira Telles com vereadores da 5ª legislatura (31/1/1969–31/1/1973) durante a cerimônia de entrega dos Títulos de Cidadão Benemérito


Mário Clapier Urbinati durante a cerimônia de entrega do Título de Cidadão Benemérito de Maringá

Depois do falecimento de sua esposa Maria Izabel Pires Urbinatti, ocorrido em 20 de março de 1965, Mário Clapier passou a residir na casa de seu filho José Pires Urbinati, em Maringá.
Após o falecimento do filho José Pires, ocorrido em 26 de setembro de 1973, Mário Clapier foi passar uma temporada na casa do seu filho Mário Luiz, em São José do Rio Preto (SP), onde faleceu numa noite de domingo, dia 28 de abril de 1974, após sofrer um AVC. Tinha 73 anos de idade. Deixou dois filhos e doze netos. Seu corpo foi sepultado no Cemitério Municipal de Maringá.


Imagem de Mário Clapier Urbinatti publicada na edição de 30 de abril de O Jornal de Maringá

Mário Clapier Urbinati empresta seu nome à via pública que se estende da Praça Pioneiro Jacinto Ferreira Branco até a Rua Professor Lauro Eduardo Werneck, próxima à UEM, em Maringá.


Imagem Google Earth em 25/4/2019 – A linha branca mostra a Rua Dr. Mário Clapier Urbinati, nas Zonas 7 e 14, em Maringá (PR)

Em São José do Rio Preto também há uma via pública com o nome de Mário Clapier Urbinati, situada no Jardim Moysés Miguel Haddad, entre as ruas Ângelo Cal e João Romoaldo de Freitas. A via foi denominada através do Decreto nº 4937, de 04/07/1988, assinado pelo Professor Manoel Antunes, Prefeito Municipal.
Através da Lei nº 787, de 30 de outubro de 1970, o Município homenageou Maria Izabel Pires Urbinatti, esposa de Mário Clapier, dando seu nome ao Grupo Escolar da Vila Bosque, escola criada em 1969 no Lote nº 433, na esquina das atuais avenidas São Paulo e JK3 e desativada em 1975, conforme Lei nº 1613/1982. Maria Izabel fazia parte da Irmandade de Santa Rita, da Igreja Católica, e participava ativamente das campanhas do Rotary Clube de Maringá.
José Pires Urbinati, filho de Mário Clapier, morou em Maringá onde atuou como advogado, produtor rural e proprietário da Indústria de Adubos Maringá – Iamar. Faleceu em 26 de outubro de 1973, com 51 anos de idade, em função de problemas cardíacos. Está sepultado no Cemitério Municipal de Maringá.
Caio César Urbinati, nascido no dia 10 de fevereiro de 1954 em Maringá, filho de Mário Luiz Pires Urbinatti e neto de Mário Clapier Urbinati, foi vereador por três legislaturas na Câmara Municipal de São José do Rio Preto (SP) entre 1983 e 1996, ocupando a presidência daquela casa de leis por duas vezes.
__________
Marco Antonio Deprá
madepra@uol.com.br
1º/5/2019

Nota 1:
O artigo 123 da Constituição do Estado do Paraná de 12/07/1947 estabelecia que “são órgãos do Município a Câmara Municipal, composta de vereadores com funções legislativas e o prefeito, com funções executivas”. Portanto, não previa o cargo de vice-prefeito. Por esta razão, as duas primeiras gestões maringaenses não contaram com o vice-prefeito.
Somente no decorrer da terceira gestão municipal, do prefeito João Paulino Vieira Filho, Maringá teria um vice-prefeito, atendendo às alterações da legislação estadual provocadas por emendas na Constituição Federal de 1946.
Em 2/9/1961, a Emenda Constitucional Federal nº 4 instituiu o sistema parlamentar de governo. Em seu artigo 23, a Emenda extinguiu o cargo de Vice-Presidente da República.
Em 23/2/1963, a Emenda Constitucional Federal nº 6 revogou a Emenda Constitucional Federal nº 4 e restabeleceu o sistema presidencial de governo instituído pela Constituição Federal de 1946. Esta legislação deve ter provocado a alteração da Constituição do Estado do Paraná de 1947 criando o cargo de vice-prefeito nos municípios paranaenses. Não tive acesso a esse normativo.
Nota 2:
Em 27/8/1975, através da Lei nº 1095, a Câmara Municipal de Maringá autorizou o Poder Executivo Municipal a alterar a denominação da Avenida
Morangueira para Dr. Mário Clapier Urbinatti. De acordo com o Projeto de Lei nº 1.609 que deu origem à Lei nº 1.095 o autor do projeto, vereador Antenor Sanches, pretendia propor a alteração da denominação da Rua 9 da Vila Santo Antonio e não o nome da Avenida Morangueira com publicado erroneamente na lei. Ocorre que a Rua 9 já havia tido seu nome alterado pela Lei nº 788, de 30 de outubro de 1970 para Assis Chateaubriand. Portanto, não se tem na Câmara Municipal nenhum documento que explique a razão pela qual o nome de Mário Clapier Urbinatti ter sido dado à via pública que se estende da Praça Pioneiro Jacinto Ferreira Branco até a Rua Professor Lauro Eduardo Werneck, próxima à UEM. O que se sabe é que essa região da cidade foi urbanizada em meados da década de 1970 e começou a ser ocupada quando o Conjunto Habitacional Maurício Schulman foi inaugurado em 15 de fevereiro de 1976 e habitado inicialmente por professores e estudantes da recém fundada Universidade Estadual de Maringá. Já o Jardim Universitário, também cortado pela Rua Dr. Mário Clapier Urbinati teve seu loteamento aprovado por Alvará de 14/11/1976. O trecho da via entre a Praça Jacinto Ferreira Branco e as imediações do Córrego Mandacaru foi duplicado e entregue ao tráfego em 8 de outubro de 2015 e atualmente é uma importante via de ligação entre o centro e a região noroeste da cidade.
Nota 3:
Na memória da neta Ruth, a escola que homenageia sua avó localizava-se na Vila Sete, numa das travessas da Avenida Bento Munhoz.
Fontes:
 Livro “Câmara Municipal de Maringá 60 anos 1952-2012”, organizado por Reginaldo Benedito Dias
 Acervo de O Jornal de Maringá
 Acervo de Marco Antonio Deprá
 Site da Câmara Municipal de Maringá
 Site da Prefeitura Municipal de Maringá
 Blog Maringá Paraná Brasil, de J. C. Cecílio
 Site www.quemfazhistoria.com.br
 Site da Câmara Municipal de São José do Rio Preto (SP)
 Depoimento de Ruth de Queiroz Urbinati Silva
 Depoimento de Maria Cristina e Caio César Urbinatti
 Site do Museu Maçônico Paranaense

Angelo Rigon

Jornalista em Maringá. Pioneiro em blog político, foi repórter e apresentador de programas de rádio e televisão, além de ter editado jornais e revistas. É comentarista da Jovem Pan Maringá.