Dois anos depois, homem da mala de Temer tenta suspender seu processo

O Tribunal Regional Federal da 1ª região, em Brasília, negou uma série de solicitações da defesa do paranaense Rodrigo Rocha Loures, o homem da mala de Michel Temer, no inquérito da mala de dinheiro, informa Guilherme Amado.

A defesa do ex-deputado federal pediu a suspensão de seu processo até a decisão sobre a rescisão dos acordos de delação dos irmãos Batista, além da realização de uma perícia nos áudios e vídeos do dia em que Rocha Loures foi filmado com a mala de dinheiro. O juiz Rodrigo Bentemuller negou os pedidos.
A medida é visivelmente uma tentativa de Rocha Loures de ganhar tempo. Ele nunca negou a veracidade dos áudios e vídeos em que foi gravado.
Lauro Jardim acrescenta: Rodrigo Rocha Loures dispensou os serviços do criminalista Cezar Bittencourt, o amicíssimo de Eliseu Padilha que estava com o homem de mala de Michel Temer desde que ele foi flagrado com meio milhão de reais correndo pelas ruas de São Paulo.
Bittencourt não aguentava mais as interferências do cliente. Rocha Loures exigia ler todas as peças 24 horas antes de serem enviadas aos tribunais e, quase sempre, pedia alterações no texto que incomodavam os advogados.
Rocha Loures fechou com Bruno Rodrigues, um criminalista que fez a carreira no Distrito Federal. A mudança não indica que uma delação está no horizonte.

Angelo Rigon

Jornalista em Maringá. Pioneiro em blog político, foi repórter e apresentador de programas de rádio e televisão, além de ter editado jornais e revistas. É comentarista da Jovem Pan Maringá.