Pela anulação do decreto das armas

Os governadores de 13 estados e do Distrito Federal querem a anulação do decreto nº 9.785, por meio do qual o presidente Jair Bolsonaro flexibiliza o registro, a posse, o porte e a comercialização de armas de fogo e munições.

Em carta a ser entregue ao Palácio do Planalto, os chefes executivos demonstram “preocupação” com as novas regras e pedem que os três poderes atuem para a “imediata revogação” do texto.
O texto declara ainda que a violência e a insegurança afetam grande parte da população, mas que as medidas previstas no decreto não contribuirão para seu combate. “Ao contrário, tais medidas terão um impacto negativo, aumentando, por exemplo, a quantidade de armas e munições que poderão abastecer criminosos”, declaram os governadores (leia mais).
Autor da lei estadual do desarmamento em 2005, movimento do qual foi um dos líderes quando era deputado estadual, o hoje governador Ratinho Junior não assinou a carta, assim como nenhum governador do sudoeste e do sul do país. Hoje ele entende que ter arma é uma decisão do cidadão. A carta foi assinada pelos governadores Ibaneis Rocha (DF/foto), Flávio Dino (MA), Wellington Dias (PI), Paulo Câmara (PE), Camilo Santana (CE), João Azevedo (PB), Renato Casagrande (ES), Rui Costa (BA), Fátima Bezerra (RN), Renan Filho (AL), Belivaldo Chagas (SE), Waldez Góes (AP), Mauro Carlesse (TO) e Helder Barbalho (PA).

(Foto: Paulo H. Carvalho/Agência Brasília)

Angelo Rigon

Jornalista em Maringá. Pioneiro em blog político, foi repórter e apresentador de programas de rádio e televisão, além de ter editado jornais e revistas. É comentarista da Jovem Pan Maringá.