Investigação sobre propina para ex-senador cita empresa do Paraná

Novas evidências foram encontradas sobre pagamentos de propina do grupo Hypermarcas (atual Hypera Pharma) ao ex-senador tucano Paulo Bauer (foto) pela Procuradoria-Geral da República; Bauer é secretário especial da Casa Civil do governo Jair Bolsonaro. A Paraná Pesquisas, de Curitiba, foi citada no relatório da PGR.

Reportagem de Aguirre Talento e André de Souza, publicada em O Globo, informa que novas evidências foram encontradas sobre pagamentos de propina do grupo Hypermarcas (atual Hypera Pharma) ao ex-senador de Santa Catarina.
A PGR teve acesso a trocas de mensagens entre um então assessor de Paulo Bauer, Marcos Moser, e o ex-diretor da Hypermarcas Nelson Mello. Nessas conversas, Moser indica a Mello nomes de empresas para celebrar contratos fictícios que, segundo os investigadores, serviriam para repassar recursos ilegais para o tucano.
“As mensagens eletrônicas demonstram que, quando celebrados para favorecer Paulo Bauer, os contratos fictícios firmados para ocultar transferência de vantagens indevidas ao parlamentar investigado tiveram por supostas contratantes a Ycatu Engenharia e Saneamento Ltda., o Instituto Paraná de Pesquisas e Análise de Consumidor Ltda e a Prade & Prade – Advogados Associados”, afirma a PGR em relatório enviado este ano para a Justiça Federal de São Paulo.

Angelo Rigon

Jornalista em Maringá. Pioneiro em blog político, foi repórter e apresentador de programas de rádio e televisão, além de ter editado jornais e revistas. É comentarista da Jovem Pan Maringá.