UEM aprova retomada do calendário acadêmico, mas greve continua

A retomada do Calendário Acadêmico da Universidade Estadual de Maringá foi decidida hoje, por maioria, em reunião do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão. Segundo a instituição, a decisão não coloca fim à greve nem estabelece um cronograma de reposição de aulas – matéria que será apreciada ao final do movimento grevista.

O mesmo conselho havia decidido, em reunião em 29 de junho, suspender o calendário por causa da greve, que tinha sido deflagrada três dias antes. A decisão tomada hoje visa a atender a renovação de contratos de 100 docentes temporários, que estão vencendo, e também a manutenção dos contratos de outros professores temporários até o final do ano.
Ontem, o governo publicou o Decreto 2.199/19 autorizando o quantitativo de 18 mil horas semanais de trabalho docente, com a condição de que o calendário esteja em vigor.
Ainda segundo a UEM, antes da aprovação na reunião de hoje, a matéria foi amplamente discutida pelos conselheiros do CEP e houve oportunidade de os representantes sindicais falarem. As manifestações tiveram como ponto comum a preocupação com a garantia dos direitos dos servidores e da autonomia universitária.

(Foto: UEM)

Angelo Rigon

Jornalista em Maringá. Pioneiro em blog político, foi repórter e apresentador de programas de rádio e televisão, além de ter editado jornais e revistas. É comentarista da Jovem Pan Maringá.