‘Novo pedágio’ vai custar mais caro aos caminhoneiros, aponta Chiorato

Um dos motivos é o fim do preço diferenciado por eixo; novo edital não traz benefício atual

Os caminhoneiros serão os maiores penalizados na nova modelagem de pedágio proposta pelo governador Carlos Massa Ratinho Junior e pelo ministro de Infraestrutura de Bolsonaro, Tarcísio Gomes, aponta o deputado Arilson Chiorato. O documento, divulgado na última quarta-feira, sobre as concessões das rodovias paranaenses retira o preço diferenciado por eixo. Com isso, na maioria das praças, o pedágio, logo de início, vai ficar mais caro. Além disso, tem a inflação e o degrau tarifário após a entrega das obras.

Chiorato (PT) cita como exemplo um caminhoneiro que faz o trecho Apucarana a Paranaguá, com um caminhão de 6 eixos. Hoje, o caminhoneiro deixa na estrada R$ 426. Na nova modelagem, de largada, será R$ 502,20. Neste cálculo não estão inclusos os possíveis descontos que poderão ser dados, o que será definido apenas no leilão. Porém, para ter 17% de desconto, a empresa interessada precisará desembolsar R$ 570 milhões de aporte ao Governo do Estado.

O valor tem como referência os números divulgados pelo Governo do Estado, que diz que serão três níveis de aporte: R$ 15 milhões por ponto porcentual até 10%; R$ 60 milhões por ponto porcentual até 17%; e R$ 150 milhões por ponto porcentual após 17%.

Arilson lembra que, após a realização de obras, a pedagiadora poderá aumentar a tarifa em 40%. “Além disso, não podemos nos esquecer dos reajustes anuais e das novas praças. Ou seja, vamos continuar pagando caro, e os caminhoneiros mais ainda, desencadeando alta de preços em todos os setores da economia”, acredita o deputado.

Outro exemplo, no mesmo trecho, usado pelo deputado é de um caminhão de 9 eixos. Hoje, sai R$ 639; depois, R$ 753. “Imagine esse repasse na cesta básica? No setor produtivo? Com certeza, vamos pagar mais também na hora de fazer as compras no supermercado, além de perder a competividade econômica”, assinala. De Londrina a Paranaguá não será diferente. Hoje, um caminhão de 6 eixos custa R$ 565 e vai para R$ 673. Já um caminhão de 9 eixos, vai saltar de R$ 847 para R$ 1.009,80.