O caso Scabora e o dia seguinte

Deputado estadual Anibelli Neto, presidente do MDB no Paraná, não acredita que vice-prefeito saia do partido; se sair, Scabora “ficaria desmoralizado”. Filiação ao PSD está prevista para acontecer amanhã

Conforme o blog adiantou pela manhã, o vice-prefeito Edson Scabora vai trocar o MDB pelo PSD, de acordo com anúncio feito ontem pelo prefeito Ulisses Maia (PSD). A filiação, se mantida diante de tudo o que vier a acontecer hoje, acontecerá amanhã em evento com a presença de muita gente, em especial os que ocupam cargos comissionados na Prefeitura de Maringá.

O governador Carlos Massa Ratinho Junior (PSD) teria dito ao prefeito para filiar o vereador Flávio Mantovani (Solidariedade), o mais votado em 2020. Em reunião, Ulisses teria admitido o ingresso de Mantovani, mas somente na condição de candidato à reeleição. Flavinho teria aceitado, possivelmente acreditando que lá na frente possa substituir Scabora como candidato ao Executivo, se este não decolar. Mas a hipótese não é levada a sério pelo entorno do prefeito, que já assumiu diversas vezes de forma enfática o apoio ao seu vice, como deverá fazer amanhã no esperado evento de filiação.

A mudança, se realmente acontecer como foi planejada, complicará a vida do MDB, que tem uma chapa de pré-candidatos já definida. A chapa pode se desintegrar ou não até amanhã. Há uma conversa de que até o ex-prefeito Carlos Roberto Pupin, ligado à família Barros, poderia vir a ser o pré-candidato do MDB, e que tudo faria parte de um acordo com Maia.

O presidente estadual do MDB, deputado estadual Antônio Anibelli Neto, não acredita que Edson Ribeiro Scabora vá se desfiliar do MDB. É que no início da semana os dois estiveram juntos e conseguiram o ok do governador para apoiar o vice, mesmo ele não sendo do PSD ou do PL, partidos que estão em processo de cooptação por Ratinho Junior. Se houve o sinal positivo, por que então Scabora mudaria de partido?

Anibelinho lembrou que Scabora fez a vida política no Partido Verde e no MDB, tem a garantia de apoio e não vê o que ganharia simplesmente trocando de sigla. Respeitado por colegas e ex-colegas de Assembleia Legislativa e conhecido por honrar a palavra dada, o presidente estadual do MDB disse não acreditar que o vice-prefeito de Maringá deixe o partido. Se acontecer, Scabora “ficaria desmoralizado” e reforçaria a teoria de que tudo o que está acontecendo “vai além da política”.

Foto: Orlando Kissner/Alep

Advertisement
Advertisement