Busca: "Jc cECÍLIO"

Túnel do tempo

O acervo de JC Cecílio

Em São Paulo, o maringaense JC Cecílio aproveita o tempo para catologar seu acervo físico sobre a cidade. Livros e revistas já passaram de 300. Acima uma rara foto aérea de seu acervo, mostrando a construção da Codemar (hoje, Sanepar), inclusive a conhecida ‘caixa d´água”.

Blog

Café: a doação de JC Cecílio

kit-cafe-1950s-red
De JC Cecílio:
Em minha visita a Maringá, deixei como doação um kit de amostras de grãos reais, naturais de café. Pasme! amostra da safra de 1952/1953. Em estojo adquirido nos EUA. Mais uma de uma série de itens que sempre que posso, colaboro com o melhor museu da cidade, o “Acervo Cocamar” sob a direção de Reynaldo Costa. Um dos itens contém aproximadamente 100g de grãos de café do Norte do Paraná da mesma época. “Quase jurássico!” (risos) – Com mais de sessenta anos, estou tentando cultivar algumas sementes, porém sem muita esperança de germinação, mas, quem sabe… Aqui.

Midia

JC Cecílio, garimpeiro da história

Propaganda
Fuçando e pesquisando para seu blog, JC Cecílio achou o anúncio acima, quase profético: uma propaganda da companhia aérea paquistanesa PIA, que mostrava a sombra de um avião sobre as torres gêmeas, publicada na revista francesa Le Point de 19 de marçde 1979. Abaixo, o produto de sua garimpagem sobre os anúncios da CTNP publicados no Estadão. Clique para ampliar.
Cia. de terras

Memória

JC Cecílio e o “Pavão”

Voltando a comentar sobre a história do norte do Paraná, JC Cecílio apresenta em seu blog  o “Pavão” N° 53 da “Empreza Rodoviária Garcia & Garcia Ltda.” , hoje Viação Garcia. Fabricado pela GMC, em 1942, o colorido ônibus fazia os percursos Londrina-Maringá e Londrina-Paranavaí, com a distância de 207 quilômetros, levando 16 horas, nos idos dos anos 1940. O ônibus era movido a gasogênio – eram os tempos da Segunda Guerra, quando a gasolina estava racionada. Leia mais.

Memória

JC Cecílio e a rodoviária

Mais fotos de JC Cecílio, tiradas no sábado: o trator exposto como tanque de guerra dentro da antiga estação rodoviária, um senhor contemplando a má ação dos homens e, ali perto, na praça Raposo Tavares, palavras que não tocam a todos.

Memória

JC Cecílio e a rodoviária


Perto das 10h um imbecil começou a retirar os cartazes, faixas e flores do alambrado da arena dos horrores e a jogá-los ao chão, com uma atitude de muita raiva, e ainda nem recolhendo a um recipiente de lixo.


Observe alguns trabalhadores sem o mínimo de proteção, fumando sobre tratores e botijões de gás de solda. Havia muitos palpiteiros sem capacetes.

Memória

JC Cecílio e a rodoviária

Os cartazes da manifestação ainda estavam no alambrado, havia apenas o vigia no local, afixei o meu, pois na sexta eu não pude estar lá. Cheguei de viagem e fui logo ver aquela aberração da administração. Charlatã.


Lá pelas 8h um miniexército de homens com e sem trajes apropriados chegaram com suas temíveis maquinas de construir, mas agora para destruir a memória de um povo heróico.

Memória

A sugestão de JC Cecílio

Image and video hosting by TinyPic
JC Cecílio enviou a seguinte sugestão [antes de saber da suspensão da demolição] ao vereador Humbero Henrique (PT): “Como admirador de teu trabalho junto a comunidade de Maringá, quero opinar para um projeto de resgate com o mínimo de impacto, depois desta nossa perda irreparável, por motivos até então desconhecidos e atropelados. Sugiro a dos arcos da antiga Rodoviária – imagino que seja  reproduzido na mesma escala, cor e formato, na praça Raposo Tavares, o mais próximo possível da rua Joubert de Carvalho, na mesma direção dos originais, com isso a harmonia estaria preservada, mesmo que parcialmente no centro da cidade-canção. Tentarei enviar um esboço em breve para a preciação da idéia apresentada. Um abraço. José Carlos Cecilio – Cidadão maringaense (50 anos),  contribuinte  e investidor nesta cidade”.

É dele a foto acima, que mostra uma das laterais do prédio histórico, destruída pelo prefeito Silvio Barros II, e que parecem escombros de guerra.

Blog

JC Cecílio: “Vou dar um tempo”

Recebi de JC Cecílio:

Tentei nestes últimos  3 anos divulgar e compartilhar a história desta cidade, ainda que meio distante dela, tenho quase toda minha família residindo ai, e vou com alguma frequência. Mesmo longe, estou sempre antenado nos blogs e jornais regionais, principalmente no teu site e antigo blog. Criei meu blog para poder compartilhar as coisas que curto e para as causas que luto, sem partidarismos. Mas confesso que vou dar um tempo, pois de nada adianta mostrar imagens e contar história e estórias de uma cidade que a maioria não dá a mínima. A memória de uma cidade não é um álbum de figurinhas, quem leva a história a sério, deve lutá-la para mante-la viva e de pé, e não sei se continuo com este vírus que contrai, contaminado pela história de nossos antepassados. O crime cometido neste mês, em pleno aniversário, foi de arrasar. Veja o que ouvi dizer, imagina, que a demolição se deu porque o Rigon não estava na cidade para impedir a destruição.

[Óbvio que foi um exagero do JC Cecílio, mas sua revolta não é diferente da minha, apesar de estar temporariamente distante de Maringá. Leiam mais do que ele escreveu aqui e aqui. A foto é da antiga estação ferroviária, nos anos 60, derrubada nos anos 90 pelo irmão mais novo do atual prefeito, que não quer saber de preservar a história da cidade]