beliza farias coelho

Crônica

Minha delicada obsessão

De Beliza Farias Coelho:
É bem possível que eu entre em uma loja de sapatos e saia exatamente da mesma forma que entrei, apenas com aqueles que calçam meus pés. Agora, quando entro em uma livraria, dificilmente conseguirei sair de mãos vazias. Guardo comigo uma lista escrita e mental dos livros que ainda quero ler, sem contar aqueles que me surpreendem com suas cores, letras e prefácios pelas prateleiras.
A curiosidade em ler cada boa palavra escrita faz transbordar meu coração de euforia. Se eu pudesse, pedia para parar o mundo de vez em quando, só para ler horas seguidas despreocupadamente, longe das tarefas do dia-a-dia.Leia mais.

Crônica

O medo

De Beliza Farias Coelho, d’ A Prosa do Cotidiano:
medoO medo de levantar para dançar e parecer ridículo, o medo de encarar a terapia, o medo de ser diferente e incompreendido, o medo de declarar “eu te amo” e não ser correspondido. O medo.
Quantas vezes me senti literalmente paralisada pelo medo, uma inércia que gelava meus ossos. Quantas vezes não agi pela incerteza quase certa que esse sentimento me causava. Inúmeras vezes, perdi a conta. Leia mais.

Crônica

Viver além dos rótulos

Beliza Farias CoelhoDe Beliza Farias Coelho (foto), que todas as terças-feiras publica um texto novo no blog A Prosa do Cotidiano:

Tenho reparado nessa nossa tendência em definir as pessoas com as quais convivemos, os sentimentos que nutrimos por elas ou determinadas situações, sendo que, por vezes, ao nos deparamos com a incapacidade de fazê-lo, chegamos a desistir da vivência que podem nos oferecer.
Quantas pessoas titubeiam ou deixam de experimentar uma linda relação amorosa pela ausência do casamento. Realmente acredito que essa instituição é importante, por diversos fatores que não vêm ao caso, mas ele deve acontecer naturalmente, pela simples e íntima decisão de dois seres em partilhar as alegrias e as mazelas do dia-a-dia. Leia mais.