bonde da pichação

Geral

GM identificou os autores das pichações

Em outubro, Mello destacou três três guardas, que ficaram trabalhando dia e noite nas ruas de Maringá, com filmadoras, e se infiltrando em grupo de pichadores que se reuniam na praça Pedro Álvares Cabral (praça da patinação, na Zona 2), até descobrir que eles formavam o Bonde da Pichação, com página em rede social. Foi este trabalho da Guarda Municipal que conseguiu identificar os autores, que usavam seus nomes ao contrário; por exemplo, Bleca é Caleb e Drope é Pedro – os dois principais mentores e coordenadores dos ataques, que depois de sujar patrimônios privados e públicos se reuniam para comemorar e colocavam as fotos no Facebook. Uma das inscrições que a turma usava era “Eu picho, você pinta, vamos ver quem tem mais tinta”.
A maioria dos vândalos pichadores é formada por estudantes de classe média; os dois líderes estudam no Instituto Estadual de Educação, próximo à Catedral e ao paço municipal. As fotos apresentadas na reportagem foram todas feitas pela GM em setembro e outubro passado, assim como os dois relatórios foram concluídos na sexta-feira que antecedeu a saída de Rogério Mello da Guarda Municipal.

Maringá

Pena para o Bonde da Pichação

Na próxima segunda-feira o Ministério Público Estadual e as forças de segurança de Maringá estarão reunidos para tratar da questão dos pichadores. Na realidade, para verificar qual pena será aplicada ao grupo que se intitulava Bonde da Pichação, composto por adolescentes estudantes. Todos foram identificados e alguns até ouvidos pelas autoridades. Uma das propostas de penalização é que, com material adquirido pelos pais, limpem a pichação feita em prédios públicos e particulares em várias partes da cidade.