Texto não é claro sobre área a ser alienada

Como se vê na postagem acima, a redação dada ao edital não é clara a respeito do total a ser vendido, mas a informação passada ontem por funcionário da Secretaria de Planejamento é que nem toda a área será alienada; uma área de cerca de 4 mil metros, ao redor, é que seria vendida para loteamento. Um excerto do laudo de avaliação feito pela prefeitura, encaminhado junto com o projeto no ano passado, cita que o valor de R$ 4.340.809,73 refere-se somente “à área útil de 6.946,31 metros quadrados”. Na Seplan informaram que o assunto foi tratado na Proge; já na Proge, indicaram a Seplan. O secretário Laércio Barbão e o diretor de Controle de Ocupação e Parcelamento do Solo, Roberto Petrucci Junior, não foram encontrados para falar sobre o assunto. Na câmara municipal, há surpresa em relação ao fato, já que na mensagem enviada ano passado pelo prefeito não se informou que a área era uma ZPA. Há quem considere a possibilidade de revogação da lei.

Angelo Rigon

Jornalista em Maringá. Pioneiro em blog político, foi repórter e apresentador de programas de rádio e televisão, além de ter editado jornais e revistas. É comentarista da Jovem Pan Maringá.