UEM extingue contratos de obra que não foi concluída

blocom15

O vice-reitor da Universidade Estadual de Maringá, Julio César Damasceno, determinou ontem a extinção de dois contratos firmados com a empresa Kango Brasil Ltda., de Curitiba, e a instauração de processo administrativo de apuração de responsabilidade.
O objetivo é apurar os fatos que levaram a empreiteira a não cumprir as cláusulas contratuais e prazos estabelecidos para a construção do Bloco M-15 (quadra poliesportiva), no campus sede, no valor superior a R$ 1,4 milhão.
Além do procedimento administrativo, tramita na 2ª Vara da Fazenda Pública medida cautelar inominada ajuizada pela empresa. A obra deveria estar concluída em 19 de abril de 2013.
Em 2009 foi assinado o primeiro contrato, de R$ 670 mil, e em 2010 o segundo, de R$ 770.387,62. O primeiro contrato referia-se à execução da quadra com área total de 1.883,76 m², e o segundo estabelecia ampliação de 860,07 m² e adequação interna de 237,60 m².
Quando foi concebido, a obra seria provavelmente o ginásio mais moderno de Maringá. Os recursos para sua construção foram arrecadados pelo Departamento de Educação Física por meio da Lei de Incentivo ao Esporte do Governo Federal.
As portarias, assinadas ontem, preveem a eventual responsabilização funcional, se for o caso. (Foto: Mariana Novaes)