Obra do terminal também tem problemas com projetos

José Carlos Horita

A Comissão Parlamentar de Inquérito do Terminal Intermodal ouviu hoje o engenheiro civil José Carlos Horita, da Sial, que estava acompanhado do advogado Walter Toledo.
O prosseguimento da obra, segundo ele, depende de revisões e compatibilidade entre os projetos complementares como, por exemplo, hidrossanitário, elétrico, luminotécnico, climatização e pavimento rígido.

Horita explicou que esta necessidade já foi informada à prefeitura em agosto do ano passado. “Os projetos básicos que recebemos não possuem os detalhamentos necessários à realização da obra em conformidade às exigências legais. Precisamos de detalhes, mas quem tem autoridade para reivindicar isso é a administração municipal”, explicou.
Além disso, Toledo citou que as licitações de projetos complementares básicos são 40% mais baratos que os projetos complementares executivos. Estes últimos são completos e facilitam a execução da obra pelas construtoras responsáveis.
A próxima reunião da CPI será na quinta-feira (30), às 16 horas.

Angelo Rigon

Jornalista em Maringá. Pioneiro em blog político, foi repórter e apresentador de programas de rádio e televisão, além de ter editado jornais e revistas. É comentarista da Jovem Pan Maringá.