TSE decide que Amanda Fetter continua prefeita de Sandovalina

Em decisão unânime, na manhã de hoje, o Tribunal Superior Eleitoral fez o julgamento final do processo que pedia a cassação da prefeita Amanda Lima de Oliveira Fetter, de Sandovalina (SP), por supostamente ter cometido abusos na campanha eleitoral.

O TSE entendeu que as acusações feitas contra a campanha de Amanda não poderiam levar à sua cassação, seja porque ela não cometeu ou anuiu à prática de nenhum ilícito, seja porque a acusação de abuso de poder econômico não procedia, já que a campanha adversária derrotada nas eleições, e que fez as acusações contra Amanda, gastou cerca de quatro vezes mais do que a campanha da prefeita eleita.
Para os advogados do caso “a decisão é correta e justa, já que mantém no cargo a prefeita legitimamente eleita pela população, mesmo tendo ela gasto em campanha quatro vezes menos e ainda assim sagrar-se vencedora, o que revela clara preferência a seu nome, a despeito do maior poderio econômico dos adversários”, enfatizam Anderson Alarcon e Guilherme Barcelos.
Admitir o contrário seria, isso sim, inverter o sentido da lei, ao privilegiar os mais ricos e que mais condições tiveram de gastar na campanha, e que na sequencia venham a requerer o mandato na justiça quando não eleitos, numa espécie de segundo ou terceiro turno judicial, o que não deve ser admitido, já que é a vontade do povo soberano que deve prevalecer, faz nascer e dá sentido ao regime democrático que escolheu viver, finaliza Guilherme Barcelos, que também realizou a sustentação oral na tribuna do TSE, na manhã de hoje.
A decisão é final, definitiva e resolve o mérito da questão. Com isso, as eleições suplementares que estavam suspensas não devem mais ocorrer na cidade, e Amanda segue prefeita até a conclusão do mandato.
A eleitora Maria Rodrigues, moradora de Sandovalina há mais de 25 anos, e que disse não ter votado em Amanda, comemora a decisão, “já que a discussão em torno da possibilidade de mudança e troca de prefeitos na cidade e novas eleições, acabava gerando uma insegurança na cidade e nos moradores, e isso atrapalha na rotina da gente, e na própria administração da cidade. Amanda foi eleita pela vontade da maioria da cidade, ela é nossa prefeita, e devemos respeitá-la por isso, fiscalizá-la, cobrá-la e ajudar também como cidadão em tudo o que for possível para o bem da cidade”, finaliza a empreendedora.

Angelo Rigon

Jornalista em Maringá. Pioneiro em blog político, foi repórter e apresentador de programas de rádio e televisão, além de ter editado jornais e revistas. É comentarista da Jovem Pan Maringá.