O debate confirmou impressões

O primeiro debate entre seis candidatos a governador, ontem à noite na Band, só confirmou a impressão que muitos tinham do quadro eleitoral deste ano. Ninguém surpreendeu.

Líder nas pesquisas, era óbvio que Ratinho Junior se tornasse o alvo da noite. Saiu-se razoavelmente dos ataques, alguns coordenados, e procurou fazer intervenções sempre citando dados. O corredor polonês foi mais brando que o esperado, e ele não precisou mais que a experiência política para passar incólume pelo debate.
Quem acompanha política e sempre prestou atenção no que sai da boca de políticos, de outro lado, não estranhou a fraqueza e o vazio da governadora Cida Borghetti. Pouco evoluiu em relação a 2000. Parece que lhe fincaram um prego num dos pés, o que a impede de ir além dos bordões antigos e das palavras carimbadas, deixando ver a falta de discurso e de linha de raciocínio. Na maioria das vezes, não respondeu as perguntas que lhe foram feitas, e quando o fazia não citava informações e números.
O deputado federal João Arruda demorou para se mostrar oposicionista na disputa. Mesmo assim, misturou seu discurso de tribuna parlamentar com elogios a supostos concorrentes, preferindo centrar críticas em Ratinho Junior, que chegou a pedir direito de resposta por conta de um de seus comentários (o pedido foi negado pela organização do debate).
O Professor Piva, do PSol, teve momentos de cobrança geral, posicionando-se realmente como oposição ao que está aí, algo que o Dr. Rosinha não fez de início. Ogier Buchi também não surpreendeu: sem discurso, o presidente do partido de Jair Bolsonaro atuou como linha auxiliar da candidata do PP. Em alguns momentos, junto com Arruda, parecia um time de vôlei, com gente levantando para que outros cortassem.

Confira o debate:

Angelo Rigon

Jornalista em Maringá. Pioneiro em blog político, foi repórter e apresentador de programas de rádio e televisão, além de ter editado jornais e revistas. É comentarista da Jovem Pan Maringá.